sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Gostei de ler: "Santander et al"


«O Santander divulgou ontem, quarta-feira, os resultados de 2015. O interessante é que reconheceu, só em 2015, ganhos com a compra do Banif de 283 milhões de euros (vide página 18 deste relatório). Ou seja, para o Santander a posição que adquiriu por 150 milhões às 23:30h de 20 de Dezembro de 2015 valia, no final do dia 31 de Dezembro de 2015, 433 milhões de euros. Um retorno líquido de +188,7%, em 11 dias “de trabalho”, ou o equivalente a uma taxa de 10,1% ao dia (foi mais elevada porque o Santander de certeza não transferiu os 150 milhões de euros no dia 20/12).

Nada mau. A taxa anualizada é astronómica, 189 seguido de 15 zeros e do sinal de percentagem. Devem ter existido no mundo, em 2015, poucas taxas de retorno comparáveis a esta (para o montante em questão) e, por conseguinte, o Santander é certamente dos recordistas, se calhar a par de alguns especuladores no franco suíço ou no rublo russo – mas, evidentemente, teve ajudas….

Claro que o Santander estará a ser modesto: os ganhos com a compra do Banif são, provavelmente, muito superiores ao declarado. O banco irá reconhecer, ao longo dos próximos anos, as mais-valias resultantes desta compra do Banif, mas já misturadas com o resto do negócio do banco. Por conseguinte, parece-me que o Santander é um sério contendente a uma inscrição no Livro Guinness dos Recordes do ano de 2015.(...)» – Ricardo Cabral, no TME.

1 comentário:

fb disse...

Para o Santander a posição que adquiriu por 150 milhões às 23:30h de 20 de Dezembro de 2015 valia, no final do dia 31 de Dezembro de 2015, 433 milhões de euros. Um retorno líquido de +188,7%, em 11 dias “de trabalho”, ou o equivalente a uma taxa de 10,1% ao dia. Nada mau. A taxa anualizada é astronómica, 189 seguido de 15 zeros e do sinal de percentagem. Devem ter existido no mundo, em 2015, poucas taxas de retorno comparáveis a esta (para o montante em questão) e, por conseguinte, o Santander é certamente dos recordistas, se calhar a par de alguns especuladores no franco suíço ou no rublo russo – mas, evidentemente, teve ajudas….