quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Quem diria, um 25 de Novembro de esperança


Assinalam-se hoje os 40 anos do 25 de Novembro de 1975, uma data escolhida por muitos para dar largas ao ressentimento. Uma certa direita – direita canhota incluída – conta-o como tendo sido o dia em que Portugal se livrou dos excessos que aconteceram, e aconteceram, entre o dia da revolução de 25 de Abril de 74 e a contra-revolução de 25 de Novembro do ano seguinte. Uma certa esquerda, que tanto tempo depois ainda tem dificuldade em admitir tais excessos que deitaram tudo a perder e em percebê-los como os geradores do descontentamento popular que, se não apoiou, também não se opôs à contra-revolução, conta-o como o dia em que começou o ajuste de contas com o 25 de Abril que foi acontecendo depois pela mão das três forças partidárias que a interpretaram e das duas que a intensificaram nos últimos quatro anos e meio. Quarenta anos depois, agora os excessos são de sinal contrário aos do período pós-revolucionário, tal como o descontentamento popular que tantos excessos voltaram a gerar fazendo acontecer o 4 de Outubro de 2015, o dia em que os portugueses usaram o voto para correrem com a direita de todos os excessos à qual dizemos definitivamente adeus no virar de página que se vive também neste 25 de Novembro de 2015. Não será o ajuste de contas com o 25 de Novembro de 1975 que tantos temem e pelo qual tantos anseiam, será o Governo de um dos partidos que o interpretaram suportado no Parlamento e fiscalizado pelos que sempre se lhe opuseram,. Ainda só conseguimos travar a contra-revolução. E não é nada pouco. É o primeiro 25 de Novembro que vivemos com esperança no futuro desde esse último que a minha memória já não consegue precisar.

2 comentários:

fb disse...

Não será o ajuste de contas com o 25 de Novembro de 1975 que tantos temem e pelo qual tantos anseiam, será o Governo de um dos partidos que o interpretaram suportado no Parlamento e fiscalizado pelos que sempre se lhe opuseram,. Ainda só conseguimos travar a contra-revolução. E não é nada pouco. É o primeiro 25 de Novembro que vivemos com esperança no futuro desde esse último que a minha memória já não consegue precisar.

Anónimo disse...

A afirmação "É o primeiro 25 de Novembro que vivemos com esperança no futuro" é em nome de quem? Do Costa e companhia que estão agora com esperança de conseguir umas negociatas e uns jobs for the boys?