quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Deixem lá isso da soberania popular


O monarca não falou na República, deixem lá isso, mas falou no dia logo a seguir. Cavaco Silva não esperou pelo resultado eleitoral dos círculos da Europa e de fora da Europa, deixem lá isso, dos quais depende o apuramento do partido com mais mandatos no Parlamento. Mas falou em directo pelas televisões com o líder do PSD, deixem lá isso, o seu partido, para lhe pedir que faça de Presidente da República que não é, deixem lá isso, e se entenda com António Costa para que este ignore os convites de Bloco e CDU e de uma vez por todas se deixe lá disso de acenar ao seu eleitorado com o Governo de esquerda que poderia mas não quer formar, as eleições já lá vão, e transforme os votos que lhe foram confiados para “tirá-los de lá” em votos, deixem lá isso, que “os mandam para lá”. A seguir falaram, pelo PSD, deixem lá isso das traficâncias que estão a ser investigadas, o seu porta-voz Marco António Costa e, pelo PS, deixem lá isso do que disse na noite das eleições sobre não haver conversas à esquerda, António Costa. O Primeiro para dizer que o seu PSD irá falar com o PS do segundo. O segundo para dizer que a sua comissão política o mandatou para tentar convencer Bloco e PCP a deixarem-se lá disso de se oporem ao assalto à Segurança Social, ao congelamento das pensões dos velhotes e à liberdade total para despedir que o PS quer conceder aos patrões e que só depois da resposta destes de que se mantêm fieis aos compromissos eleitorais assumidos e de que rejeitam as imposições é que, depois de dramatizar convenientemente o “com aqueles dois é impossível negociar, eles não querem ser Governo” é que tem autorização para anunciar que o PS aceita a encomenda e se rege pelas mesmas regras enunciadas pelo monarca. Resumindo: deixem lá aquela coisa da democracia, deixem lá isso das eleições e deixem lá aquilo do voto “útil”. Mesmo com a menor soma de votos das últimas três décadas, Os três do memorando voltarão a fazer tudo o que Berlim lhes ordenar.

1 comentário:

fb disse...

Resumindo: deixem lá aquela coisa da democracia, deixem lá isso das eleições e deixem lá aquilo do voto “útil”. Mesmo com a menor soma de votos das últimas três décadas, Os três do memorando voltarão a fazer tudo o que Berlim lhes ordenar.