domingo, 31 de maio de 2015

Quem quer receber uma reforma miserável?


O tema sustentabilidade da Segurança Social não sai das notícias. Ainda bem. Se lhe soubermos dar o uso devido, e estamos a falar do direito a uma velhice digna para o qual todos trabalhamos, nenhuma informação peca por excesso.

Um dos alertas do dia chega-nos através de um relatório da Comissão Europeia que mais uma vez chama a atenção para um futuro que a todos deve preocupar: mantendo-se as actuais regras, quem hoje trabalha e faz descontos para no final da sua carreira contributiva receber uma reforma de 1000 euros pode começar desde já a pensar na melhor forma de agir para evitar chegar a 2025, que é já daqui a dez anos, e, em vez dos mil,  receber um pouco menos de 450 euros, valor que irá encolhendo até aos pouco mais de 300 euros que em 2060 a CE prevê seja a pensão a receber por quem hoje faz descontos para ter direito a 1000.

O outro alerta encontramo-lo nas abordagens a estes números dos "especialistas" que contribuíram para que hoje nos alarmemos com a perspectiva das velhices miseráveis que o uso que deram ao poder que lhes foi confiado pelos eleitorados respectivos produziu. Resumem o problema a uma mera questão demográfica. Envelhecemos, têm toda a razão, dizem que temos poucos jovens, continuam com toda a razão, mas ignoram as estatísticas do emprego que mostram que sendo poucos os jovens que temos são demasiados, a taxa  de desemprego jovem vai chegando aos 40%, e fazem de conta que não conhecem as estatísticas da emigração que nos mostram que temos tanta falta de jovens que até os exportamos. Estupidez natural? Nada disso.

Para percebermos por que o fazem temos que olhar para o que dizem os especialistas sem aspas que, sem serem bruxos, desde sempre apontaram para o problema que hoje os "especialistas" com aspas se esforçam para reduzir a um quociente entre velhos e jovens que lhes serve de argumento para irem aumentando a idade que dá o direito a não ser penalizado ao ceder o posto de trabalho aos mais novos. Cito, por exemplo, Manuel Carvalho da Silva, que no seu artigo de hoje no JN é bastante preciso sobre as causas da ruína da Segurança Social que os especialistas com aspas dizem ser possível reverter usando a mesma receita que a arruinou:

«(...) Estes pulhas políticos sabem muito bem que o desequilíbrio da Segurança Social é, em primeiro lugar, o resultado da perda de 620 mil empregos, da redução dos salários, da destruição da contratação colectiva, da proliferação da precariedade, do insuficiente combate à fraude e à evasão. Inverter estas políticas e buscar novas fontes de financiamento que tragam riqueza produzida pelo trabalho para a solidariedade do sistema não lhes interessa: o que querem é, desde já, assegurar a transferência definitiva de rendimentos que pertencem ao trabalho para o capital. É hora de acordar. É hora de assegurar o despejo deste Governo e destas políticas.»

Nada mais natural que um arco que não abdica da promoção das políticas de desvalorização salarial exigidas pelos nossos "parceiros" internacionais negligencie que ao desvalorizar salários está também a desvalorizar os descontos respectivos que hoje fazem falta para pagar as pensões de reforma dos portugueses que fizeram a sua vida contributiva antes desta indecência começar. Nada mais natural que um arco que tem como um dos seus objectivos principais  desvalorizar salários, dizem eles que para aumentar a competitividade da nossa economia – o resultado está à vista, nada faça para reverter a implosão da economia que melhor serve esse objectivo: quanto mais desemprego, maior o desespero, mais facilmente as pessoas aceitam trabalhar em condições cada vez mais precárias e recebendo salários cada vez mais mínimos.

O que não é mesmo nada natural é que o povo que o sente na carne nem mesmo na iminência de chegar à velhice e viver na miséria faça alguma coisinha para mudar o seu destino e prefira continuar a confiar em "especialistas" com aspas e a desconfiar daqueles a quem os primeiros tanto gostam de apelidar de "irrealistas". Talvez seja questão de gosto, sinceramente não sei. O que sei é que se o poder não mudar de mãos estamos garantidamente tramados, garantia da própria Comissão Europeia, e que me assusta sabê-lo. Por isso me dei ao trabalho de vos maçar com estas linhas.
Todos somos veículos de informação. Outra certeza que tenho é que a quem as leia dará muito menos trabalho divulgá-las do que aquele que me deu escrevê-las.

7 comentários:

fb disse...

Mantendo-se as actuais regras, quem hoje trabalha e faz descontos para no final da sua carreira contributiva receber uma reforma de 1000 euros pode começar desde já a pensar na melhor forma de agir para evitar chegar a 2025, que é já daqui a dez anos, e, em vez dos mil, receber um pouco menos de 450 euros, valor que irá encolhendo até aos pouco mais de 300 euros que a CE prevê seja a pensão a receber por quem hoje faz descontos para ter direito a 1000.

José Auzendo disse...

"O que sei é que se o poder não mudar de mãos estamos garantidamente tramados"

Isto ... também nós sabemos; e também sabemos que o poder tem mudado de mãos e tudo tem ficado na mesma. O que não sabemos é para que mãos PODE o poder mudar para ficar tudo diferente...E que tipo de "diferente" ...

Filipe Tourais disse...

Tem mudado de mãos dentro de um arco que deu cabo disto tudo. Há vida fora deste arco.

José Auzendo disse...


Pois há, já sabíamos. Há vida fora do "arco da governação" e nas fontes geotermais submarinas ao largo dos Açores, há muito que todos sabemos isso!

Filipe Tourais disse...

O amigo sabe tudo. As fontes geotermais agradecem-lhe a referência.

Anónimo disse...

Como é que o povo deve estar satisfeito com este governo ,se tudo está a piorar ,a divida aumenta dia para dia ,o desemprego também ,há mais sem abrigo , crimes agora até com menores ,a policia não sabe como agir pois nota-se desorientação total ,já há muita fome e pobreza escondida ,e o governo a afins continuam a mentir como sempre ,a emigração de jovens e não só aumenta dia apos dia ,os ordenados nem dão para comer ,E APESAR DA ENORME AUSTERIDADE QUE ESTE GOVERNO NOS TEM IMPOSTO NADA MELHOROU ...SE HOUVER QUEM CONSIGA HONESTAMENTE PROVAR OU DAR MOTIVOS PARA VOTAR NESTE GOVERNO QUE SE EXPLIQUE .....POIS EU COMO MILHARES DE ELEITORES SEGUNDO REZAM AS REDES SOCIAIS NÃO TEMOS MOTIVOS ABSOLUTAMENTE NENHUNS PARA FAZE-LO SENTIMOS ENGANADOS E EXPLORADOS ,ASSIM ESTAMOS VOLTADOS PARA A ESQUERDA QUEREMOS MUDANÇA DEPOIS LOGO SE VERÁ !!!

Filipe Tourais disse...

Atenção ao que chama de "esquerda". Se for esta, o PS, ficamos na mesma.