quinta-feira, 9 de abril de 2015

Ai aguentam, aguentam


Alegadamente para equilibrar contas públicas impossíveis de equilibrar cortando rendimentos do trabalho que originam quase 4 em cada 5 euros de toda a receita fiscal e são o motor da economia, oficialmente para reduzir uma dívida que, também por essa razão, aumentou como nunca antes havia aumentado e objectivamente para recapitalizar bancos falidos pela delinquência das suas administrações, ao mesmo tempo que foram sendo objecto do maior assalto fiscal de todos os tempos, os salários e as pensões de reforma dos portugueses foram sendo sucessivamente cortados nestes últimos quatro anos. Os moralistas convenceram os portugueses que seria assim que salvaríamos o país e, por sua vez, a economia teve quatro anos para demonstrar aos portugueses que não quer saber de moralismos para nada. E hoje é a vez desse mesmo moralismo se rir dos portugueses que enganou com exemplos carregadinhos dele próprio, moralismo – “vivemos acima das nossas possibilidades”, e reaver o que investiu na trapaça que quase todos comeram: ficámos a saber que o BPI repôs os salários e devolveu integralmente os cortes salariais aos administradores alvo de reduções de rendimentos no âmbito do empréstimo do Estado que vigorou entre o segundo semestre de 2012 e o primeiro semestre de 2014, como também e sobretudo que estas reposições estavam previstas desde o início. O leitor ainda se lembra quanto ganhava em Abril de 2011? Consulte a sua declaração de rendimentos desse ano e compare-a com a de 2014. Multiplique a diferença que encontrar por 5, 10, 20 anos de austeridade que todos temos à nossa frente se não soubermos correr com ela. A seguir deverá usar de todas as suas forças para acreditar que nunca mais sofrerá cortes salariais e que o desemprego é monstro que só bate à porta dos outros e, assim convocadas todas as "energias positivas" do universo,  poderá escrever o valor a que chegar num papelinho, colocá-lo numa mesa à sua frente, olhá-lo carinhosamente e dizer-lhe na sua voz mais ternurenta: és um moralista de merda.
[editado]

1 comentário:

fb disse...

E hoje é a vez desse mesmo moralismo se rir dos portugueses que enganou com exemplos carregadinhos dele próprio, moralismo, e reaver o que investiu na trapaça que quase todos comeram: ficámos a saber que o BPI repôs os salários e devolveu integralmente os cortes salariais aos administradores alvo de reduções de rendimentos no âmbito do empréstimo do Estado que vigorou entre o segundo semestre de 2012 e o primeiro semestre de 2014, como também e sobretudo que estas reposições estavam previstas desde o início. O leitor ainda se lembra quanto ganhava em Abril de 2011? Consulte a sua declaração de rendimentos desse ano e compare-a com a de 2014. Multiplique a diferença que encontrar por 5, 10, 20 anos de austeridade que todos temos à nossa frente se não soubermos correr com ela. A seguir deverá usar de todas as suas forças para acreditar que nunca mais sofrerá cortes salariais e que o desemprego é monstro que só bate à porta dos outros e poderá escrever o valor a que chegar num papelinho, colocá-lo numa mesa à sua frente, olhá-lo carinhosamente e dizer-lhe na sua voz mais ternurenta: és um moralista de merda.