sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

O centrão e a nossa oligarquia


Um dos temas do dia é a carta de Ricardo Salgado à Assembleia da República com a cronologia dos encontros secretos que manteve com Cavaco, com Pedro Passos Coelho, com Maria Luís Albuquerque e com Paulo Portas para lhes pedir ajuda para o seu banco falido. Ficou a saber-se que já sabiam que o BES estava insolvente quando, todos eles, apareceram em público a dar as garantias de solidez que levaram tantos pequenos aforradores a enterrarem as poupanças de uma vida no aumento de capital que precedeu a implosão de todo o grupo. A oposição hoje terá oportunidade de confrontar Pedro Passos Coelho com mais este contributo para o bem da Nação. Bloco, PCP, Verdes e PS também já requereram a interpelação a que ganharam direito os especialistas em investimentos na bolsa Paulo Portas e Cavaco Silva. E Ana Gomes até já indicou o nome da sua preferida para suceder a Cavaco: Maria de Belém Roseira. Excelente ideia. Se formos rigorosos, e como sabemos o rigor é uma das promessas mais recentes de António Costa, será difícil encontrar nome mais indicado: Maria de Belém, como o próprio nome indica, para o Palácio de Belém. E se usarmos o critério DDT, a figura também não desaponta. Durante anos, por sinal aqueles em que houve valências hospitalares e centros de Saúde fechados às centenas, Maria de Belém foi Presidente da Comissão Parlamentar de Saúde durante uma parte do dia – atenção que não foi ao mesmo tempo – e trabalhou para a BES Saúde durante a outra. O centrão e a nossa oligarquia. Para Belém quem mais lhes convém.

1 comentário:

fb disse...

Bloco, PCP, Verdes e PS também já requereram a interpelação a que ganharam direito os especialistas em investimentos na bolsa Paulo Portas e Cavaco Silva. E Ana Gomes até já indicou o nome da sua preferida para suceder a Cavaco: Maria de Belém Roseira. Excelente ideia. Se formos rigorosos, e como sabemos o rigor é uma das promessas mais recentes de António Costa, será difícil encontrar nome mais indicado: Maria de Belém, como o próprio nome indica, para o Palácio de Belém. E se usarmos o critério DDT, a figura também não desaponta. Durante anos, por sinal aqueles em que houve valências hospitalares e centros de Saúde fechados às centenas, Maria de Belém foi Presidente da Comissão Parlamentar de Saúde durante uma parte do dia – atenção que não foi ao mesmo tempo – e trabalhou para a BES Saúde durante a outra. O centrão e a nossa oligarquia. Para Belém quem mais lhe convém.