sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Boas férias


Este é um post de férias, como tal, necessariamente curto, pelo que não irei comentar a nova vergonha que, sem as devidas cautelas e contrapartidas para os contribuintes donos de todo aquele dinheiro, fez aparecer metade do orçamento anual que desapareceu do Serviço Nacional de Saúde precisamente sobre o buraco escavado pela delinquência do banqueiro favorito da delinquência do centrão preferido dos portugueses. Também não irei comentar a velha vergonha a que continuamos a assistir em Gaza, onde os israelitas continuam a poder assassinar inocentes e a bombardear escolas e hospitais construídos com a ajuda da mesma querida União Europeia humanitária que lhes vende algumas das armas que os sionistas utilizam nos seus crimes contra a humanidade. O novo fantoche disto tudo Vítor Bento deu uma entrevista na qual admite que o brinquedo que lhe puseram nas mãos poderá fechar balcões e despedir gente, isto é, o BES foi ao fundo por ter demasiados balcões e trabalhadores e não porque se dedicou a negócios arriscados que nem mesmo depois de sermos obrigados a pagá-los serão proibidos ao Novo Banco. Este post é sobre o uso que damos à informação que nos chega e sobre as consequências do que não fazemos sobre a porcaria de vida e de mundo a que nos condenamos. Regresso às férias. Depois conto-vos se encontrei a nossa consciência colectiva. Também está de férias. Sempre de férias.

Sem comentários: