quinta-feira, 10 de julho de 2014

Verde que te quero imposto, imposto que te quero vede

Na foto: o smog chinês chegou a um extremo tal que as autoridades de Pequim colocaram ecrãs gigantes para transmitir imagens do nascer e pôr-do-sol

Quase toda a gente gosta da natureza, dos passarinhos, do verde arvoredo. E quase ninguém gosta de pagar impostos. O desafio que o Governo lançou àquela que baptizou de “Comissão da Reforma da Fiscalidade Verde” foi o de tentar convencer os primeiros a pagar mais dos segundos chamando-lhes “impostos verdes”, muito amiguinhos do ambiente e alegadamente “neutros”. As pessoas gostam de coisas “neutras” tanto ou mais do que gostam da natureza, mesmo que o verde em questão passe por aumentar ainda mais os impostos sobre produtos petrolíferos – a tonalidade dos que já existem entretanto desbotou com a necessidade de desviá-los para pagar juros à finança que nos tem a saque – e mesmo que a “neutralidade” em causa passe pela organização de um peditório nacional diário coercivo em cada caixa de supermercado, onde cada português passará a ser obrigado a contribuir com 10 cêntimos por cada saco plástico para ajudar aindústria automóvel a vender veículos eléctricos, híbridos ou utilitários com baixas emissões, independentemente destes portentos da ecologia poderem ter sido produzidos num daqueles países aos quais a Europa continua a permitir transformar crimes ambientais num factor de competitividade que atrai para lá as empresas que por cá vão deixando atrás de si multidões de desempregados. Se servissem a causa da sustentabilidade ambiental do planeta e não apenas para dizer umas coisas, seria sobre barreiras alfandegárias à importação destas produções que associações ditas ambientalistas como a Quercus reagiriam a mais uma subida de impostos que de verde só têm o nome. Seria pedir demasiado. Os ambientalistazinhos ficaram muito contentes com uma reforma fiscal que corrige maus hábitos como o de não andarmos sempre com uma dúzia de sacos no bolso. É assim que estes amigos da natureza acham que se vai salvar o planeta. O Governo conta com eles para mais um assalto fiscal.

Sem comentários: