sexta-feira, 4 de julho de 2014

Um peão para safar o rei


Cavaco escolheu-o para o Conselho de Estado e atribuiu-lhe uma daquelas medalhas com que o regime promove os seus melhores serviçais. Foi Presidente da SEDES, uma associação que a democracia herdou da Primavera Marcelista juntamente com a oligarquia que sempre sobreviveu a todas as revoluções. Tem meia dezena de livros publicados, um deles pela fundação pingo doce, todos eles pejados de inevitabilidades inspiradas na agenda de reconfiguração social em curso. Actualmente, fazia a rodagem na CIBS, onde impressionou quando propôs uma taxa sobre os levantamentos multibanco. E agora, Tal como Miguel Cadilhe o foi para Oliveira e Costa e o BPN, Vítor Bento foi o homem de confiança escolhido para adiar o mais possível o jogo do gato e do rato que pelo visto apenas começará a disputar-se entre o Ministério Público e Ricardo Salgado depois da factura de duas décadas de delinquência no banco do regime rebentar nas vidas dos portugueses. Vítor Bento É O Novo Presidente Executivo Do BES. Um homem do regime para gerir o naufrágio do banco do regime. Nada mais natural.

2 comentários:

Aires da Costa disse...

Peão?

Anónimo disse...

Xadrez, sim, peão. Não passa de um peão.