quinta-feira, 5 de junho de 2014

A saída porca


A arte de mal perder. "Temos que pensar no que realmente é importante para o futebol português. Na gíria popular, porque sabemos que o futebol português está bipolarizado, isto funciona como o ânus onde temos duas nádegas que se enfrentam uma à outra dizendo 'estou aqui e sou melhor do que tu'. Entre algo fisiológico como o ânus, ou sai vento mal cheiroso, ou trampa.” Impossível discordar de Bruno de Carvalho, nem que seja pela pestilência que ele mesmo teve o cuidado de exemplificar com as próprias bochechas e boca.

Se mudarmos de bochechas para as de Passos Coelho, damos de nariz com o mesmo perfume, com o mesmo mau perder, com a mesma boçalidade. "Como é que uma sociedade com transparência e maturidade democrática pode conferir tamanhos poderes a alguém que não foi escrutinado democraticamente?", questionou-se. Atenção que não se referia ao Pedro que mentiu mil vezes aos portugueses para se fazer eleger, a farpa era dirigida aos treze juízes do Tribunal Constitucional, dez dos quais são escolhidos pelo mesmo Parlamento onde os partidos que suportam o seu Governo estão em maioria também nos nomes que indicam. Não são exigentes na espécie de trampa que apoiam incondicionalmente à frente dos destinos do país, é natural que também se equivoquem noutras escolhas e enganaram-se redondamente se esperavam que os nomes que escolheram para o TC iriam obedecer ao amo com a mesma eloquência que as suas bancadas parlamentares. Ora merda, não é verdade?

Agora, já não há nada a fazer. Resta forçar uma saída porca, dramatizar e armar o maior banzé institucional da História da nossa democracia, tentar acordar aquele que a gíria conhece por múmia de Belém, trabalhar arduamente em novas inconstitucionalidades aprovando à pressa legislação para vigorar apenas no próximo ano e, se a múmia não dissolver a Assembleia da República, convocar rádios e televisões para uma daquelas comunicações às oito que servem para falar ao país sobre a demissão que tarda desde a primeira mentira.

Eleições? Claro, eleições. O mais rapidamente possível. O PS também vive o maior banzé da sua existência. O Bloco de Esquerda está entregue a duas múmias. E CDS agora será nome de roubo de pensões de reforma. Sim, ainda houve tempo para puxar o autoclismo ao CDS com a CDS  que substituirá a CES do próximo chumbo, que o menino Mota Soares apresentou com o habitual entusiasmo. O cocózinho continua convencido que os velhinhos adoram o Pedro do partido dos reformados. Vais pelo cano, Pedrinho, vais pelo cano montado nessa CDS. Lá vão eles.

2 comentários:

Fonseca disse...

Na muche! Subscrevo por inteiro a sua opinião.
Só me apetece reforçar (se não se importa) que essa múmia que mora em Belém anda mais entretida nas selfies com os jogadores da selecção nacional e a condecorar uns "amiguitos" da política e da banca, em vez de fazer o que a sua função exigiria que é o de "cumprir e fazer cumprir" a Constituição da República Portuguesa.
Com este chumbo do Constitucional já lá vão oito! Que grande caçada ao Coelho!!! Diria o meu avô Alfredo que era um excelente caçador e o fazia com perícia ali para os lados do Lubazim, mas já bem dentro do Concelho de Carrazeda de Ansiães.

Filipe Tourais disse...

Coincidência, o meu avô materno também era Alfredo e de Carrazeda.