terça-feira, 13 de maio de 2014

Há uma nova esperança por aí a nascer


“O que me parece é que há e uma nova esperança a nascer em Portugal”, afirmou Cavaco Silva dirigindo-se a cerca de uma centena de quadros portugueses a viver na zona de Xangai. Milhares de peregrinos despediram-se hoje das celebrações no santuário de Fátima declarando-se com fé num país melhor. A Antena 1 noticia uma auditoria aos serviços prisionais que encontrou adjudicações sem concurso público como manda a lei, a existência de uma conta fantasma que movimentava milhões e que ninguém consegue explicar, dinheiros que desapareceram sem qualquer justificação, entre outras irregularidades detectadas. As conclusões preliminares apontam para responsabilidades de alguns actuais e ex-directores prisionais. Sob suspeita estão também o actual director-geral de Reinserção e Serviços Prisionais Rui Sá Gomes e o ex-secretário de Estado da Administração Patrimonial da Justiça, Fernando Santo. Paulo Portas lembrou que a discussão sobre a Reforma do Estado – leia-se, novas reduções salariais – só agora é possível no momento em que Portugal "ganha autonomia" e "recupera a sua soberania", desde que tal seja discutido "com maturidade" e "sentido de responsabilidade" para procurar o consenso político e negociação social”. No sector privado, o mesmo cenário de perdas dos últimos dez anos: o Governo quer abreviar a caducidade das convenções colectivas. João Rendeiro e cinco ex-administradores do Banco Privado Português (BPP) foram considerados culpados pela insolvência dolosa daquela entidade bancária e condenados exemplarmente a permanecerem em liberdade sem poderem exercer actividade comercial durante até oito anos. Confirma-se. Há por aí uma nova esperança a nascer.


Vagamente relacionado: ao longo das 177 páginas do relatório da Inspecção-Geral dos Serviços de Justiça mostra-se o caos no funcionamento dos serviços prisionais e o risco de a qualquer momento ocorrerem novamente rupturas em serviços essenciais nas cadeias, como a alimentação ou a assistência em saúde. Novamente porque tal já aconteceu, por exemplo, em Outubro de 2012, no único hospital prisional do país, em Caxias, quando, devido às dívidas acumuladas, uma empresa que prestava serviços auxiliares de acção médica deixou de pagar aos seus colaboradores e estes deixaram de ir trabalhar, o que obrigou a ter que avançar-se com um plano de contingência. O caos no funcionamento é, no entendimento da equipa de inspecção, uma “questão estrutural” ligada à falta de funcionários e à crónica falta de verbas, com a sucessão de orçamentos deficitários que obrigam ao reforço do financiamento perto do final de cada ano. (continuar a ler)

1 comentário:

fb disse...

A Antena 1 noticia uma auditoria aos serviços prisionais que encontrou adjudicações sem concurso público como manda a lei, a existência de uma conta fantasma que movimentava milhões e que ninguém consegue explicar, dinheiros que desapareceram sem qualquer justificação, entre outras irregularidades detectadas. As conclusões preliminares apontam para responsabilidades de alguns actuais e ex-directores prisionais. Sob suspeita estão também o actual director-geral de Reinserção e Serviços Prisionais Rui Sá Gomes e o ex-secretário de Estado da Administração Patrimonial da Justiça, Fernando Santo.
Paulo Portas lembrou que a discussão sobre a Reforma do Estado – leia-se, novas reduções salariais – só agora é possível no momento em que Portugal "ganha autonomia" e "recupera a sua soberania", desde que tal seja discutido "com maturidade" e "sentido de responsabilidade" para procurar o consenso político e negociação social.”
“O que me parece é que há e uma nova esperança a nascer em Portugal”, afirmou Cavaco Silva, ao dirigir-se a cerca de uma centena de quadros portugueses a viver na zona de Xangai. Milhares de peregrinos despediram-se hoje das celebrações no santuário de Fátima declarando-se com fé num país melhor.