sábado, 12 de abril de 2014

Um 25 de Abril como tem que ser, em Liberdade e boa companhia



Os heróis que fizeram acontecer - o 25 de Abril recusaram o papel de figuras decorativas nas cerimónias que decorrerão na casa daquela mesma democracia que conquistaram há 40 anos e aceitaram o convite que lhes foi dirigido para estarem presentes nas comemorações na condição de poderem usar da palavra. Ficaram à espera de uma resposta da Presidente da Assembleia da República, uma resposta que não chegou. Obtiveram-na via comunicação social pela boca da mesma senhora que nem sequer se deu ao trabalho de colocar o caso à consideração dos representantes do povo e decidiu sozinha que a AR prescindiria da honra de receber os militares de Abril na festa dos 40 anos da liberdade que conquistaram: “se não querem participar, o problema é deles”. Resta aos partidos daquela esquerda que vai resistindo aos golpes desferidos contra o espírito da revolução na proporção dos votos que os portugueses lhe vão confiando não comparecerem também e deixarem aqueles que têm medo do que pudessem dizer os capitães de Abril sozinhos a festejar mais esta tentativa de desconsideração a quem devemos a data que se comemora. O 25 de Abril de 1974 fez-se nas ruas, o 25 de Abril de 2014 que se festeje nas ruas. Em liberdade e em boa companhia. E com todas as palavras que a liberdade roubou aos senhores que as querem calar. O nosso problema são eles.


As publicações regulares neste blogue regressam em Maio. Até já.

Sem comentários: