segunda-feira, 10 de março de 2014

Quem quer comprar lixinho (do bom)?


O Governo está a trabalhar numa forma de retirar activos "menos atraentes" dos bancos de modo a potenciar a desalavancagem dos mesmos e promover a concessão de crédito à economia. Só depois de estudar a situação com a banca será possível identificar quais os activos em causa, mas podem ser carteiras de crédito ao consumo, dívida de empresas públicas ou imobiliário, como descreve o Diário Económico para contornar a palavra LIXO. O Governo prepara-se para voltar a trocar o dinheiro de impostos que deixaram de servir para pagar serviços públicos e dos salários e das pensões que quer continuar a cortar até 2035 por lixo em estado puro. É novamente a fórmula BPN, mas desta vez sem  escandaleiras inúteis, para não matar de riso os Dias Loureiros do BCP, BES, BANIF, CGD e outras  potenciais vítimas das cócegas da nossa Justiça. Com mais responsabilidade, sentido de Estado, outra vez "porque tem que ser  " e na plena certeza de que tudo se fará para o bem da Nação. Aliás, como se confirma desde já no mesmo DE: “O PSI 20, o principal índice português, acelerou hoje 1,24% para 7.567,99 pontos, renovando máximos de Junho de 2011, apesar de o sentimento europeu ter sido fortemente abalado hoje com a quebra de 18% das exportações chinesas, num sinal de que a segunda maior economia do mundo pode estar a travar. Em termos empresariais, as acções do BCP dispararam 5,55% para os 0,2227 euros. As acções dos títulos financeiros apareceram hoje no primeiro plano dos investidores (BES ganhou 1,7% e BPI somou 0,93%).(…) "A banca continua a destacar-se e a reagir de forma muito positiva à recuperação da economia não só portuguesa, mas também de Espanha e Itália”. (lérias a itálico)

1 comentário:

fb disse...

O Governo está a trabalhar numa forma de retirar activos menos atraentes dos bancos de modo a potenciar a desalavancagem dos mesmos e promover a concessão de crédito à economia. Só depois de estudar a situação com a banca será possível identificar quais os activos em causa, mas podem ser carteiras de crédito ao consumo, dívida de empresas públicas ou imobiliário, como descreve o Diário Económico para contornar a palavra LIXO. O Governo prepara-se para voltar a trocar o dinheiro de impostos que deixaram de servir para pagar serviços públicos e dos salários e das pensões que quer continuar a cortar até 2035 ppor lixo em estado puro. É novamente a fórmula BPN, mas desta vez sem escandaleiras inúteis, para não matar de riso os Dias Loureiros do BCP, BES, BANIF, CGD e outras potenciais vítimas das cócegas da nossa Justiça. Com mais responsabilidade, sentido de Estado e na plena certeza que tudo se fará para o bem da Nação. Aliás, como se confirma desde já no mesmo DE: “O PSI 20, o principal índice português, acelerou hoje 1,24% para 7.567,99 pontos, renovando máximos de Junho de 2011, apesar de o sentimento europeu ter sido fortemente abalado hoje com a quebra de 18% das exportações chinesas, num sinal de que a segunda maior economia do mundo pode estar a travar. Em termos empresariais, as acções do BCP dispararam 5,55% para os 0,2227 euros. As acções dos títulos financeiros apareceram hoje no primeiro plano dos investidores (BES ganhou 1,7% e BPI somou 0,93%).(…) "A banca continua a destacar-se e a reagir de forma muito positiva à recuperação da economia não só portuguesa, mas também de Espanha e Itália”. (lérias a itálico)