sexta-feira, 14 de março de 2014

Gostei de ler: "2035"


«Dantes, escrever sobre um ano futuro distante era um puro exercício de ficção em que a realidade conhecida ficava arrumada a um canto e era apenas usada como terreno de germinação de fantasmas plenamente potenciados na imaginação ficcional do tal ano futuro. George Orwell fê-lo de forma notável em 1984, Roberto Bolaño mais ainda em 2666.

Há agora uma narrativa de ficção sobre o futuro que está aí a ser contada aos portugueses. Chama-se 2035 e tem como centro da intriga o cumprimento escrupuloso do Tratado Orçamental que a maioria governamental e o PS aprovaram pressurosamente como penhor de um país bom aluno e grato aos seus mestres disciplinadores. O enredo é conhecido: para cumprir as metas estabelecidas pelo dito Tratado Orçamental, designadamente o rácio de 60% do PIB para a dívida pública, o País terá não só de manter toda a política de austeridade que já lhe foi imposta como acrescentar-lhe mais outro tanto durante os próximos vinte anos. Ou seja, até 2035. Só assim se conseguirão os excedentes de 3% matematicamente imprescindíveis para cumprir aquele objetivo que os aprovadores do tratado lhe amarraram sem remissão.

2035 segue portanto a estratégia ficcional de Orwell. Do presente retém os traços de horror económico e de destruição de princípios de organização social como o da dignidade, o da coesão ou o da centralidade do contrato social. E confronta-nos com um futuro onde esses traços são potenciados até ao grotesco. Excedentes anuais de 3% para cumprir o Tratado Orçamental supõem, por exemplo, a deserção quase completa do Estado do campo da saúde, que fica a ser totalmente paga pelas pessoas e pelas famílias. Ou uma subida ainda muito mais agravada da carga fiscal sobre o trabalho, ultrapassando o limiar da absoluta insustentabilidade das vidas comuns. É desse futuro medonho, feito do agravamento indizível do nosso presente, que nos fala 2035.

É uma obra coletiva, com capítulos da autoria de Passos Coelho, de Paulo Portas e de vários outros autores e com organização e prefácio de Cavaco Silva. O organizador e prefaciador passa-nos o essencial do argumento da obra: cumprir sem pestanejar os ditames de Bruxelas é o maior dos desígnios nacionais, e isso há de ser assim até 2035. O pós-troika é a continuação da troika por outros meios. Ou pelos mesmos mas mais fortes.

Por ser assim, diz-nos Cavaco Silva, é de toda a conveniência que se firme um acordo entre a atual maioria e o Partido Socialista. Cavaco retoma assim a tese de "que se lixem as eleições". Conveniente mesmo era que não houvesse essa maçada até 2035 para que a linha consensual - a sua, naturalmente - governasse sem ser minimamente questionada (sabe-se como questionar os governos causa nervoso miudinho aos mercados...). O enésimo apelo de Cavaco ao consenso entre a maioria e o PS e o queixume de que Portugal é um país estranho porque Governo e oposição [ainda] não se entendem sobre essa coisa cristalina que é a completa similitude entre a troika e o pós-troika são o guião de toda a narrativa de 2035.» - José Manuel Pureza, no DN.

1 comentário:

Anónimo disse...

2035 segue portanto a estratégia ficcional de Orwell. Do presente retém os traços de horror económico e de destruição de princípios de organização social como o da dignidade, o da coesão ou o da centralidade do contrato social. E confronta-nos com um futuro onde esses traços são potenciados até ao grotesco. Excedentes anuais de 3% para cumprir o Tratado Orçamental supõem, por exemplo, a deserção quase completa do Estado do campo da saúde, que fica a ser totalmente paga pelas pessoas e pelas famílias. Ou uma subida ainda muito mais agravada da carga fiscal sobre o trabalho, ultrapassando o limiar da absoluta insustentabilidade das vidas comuns. É desse futuro medonho, feito do agravamento indizível do nosso presente, que nos fala 2035.