quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

E Morphy já era


Um Governo subserviente e destruidor de tudo o que encontra à sua passagem, apostado em cumprir ordens que não lhe foram dadas de poupar fundos comunitários que financiam quase integralmente a investigação científica nacional, justificando-sepublicamente com razões alegadamente de mercado e negligenciando as consequências do seu feito heróico sobre a competitividade do país, no trabalho de equipas constituídas, em investimentos já feitos e nas vidas de milhares de cientistas, aos quais aponta a porta da emigração, já seria suficientemente mau.
Porém, comprovando uma das famosas leis de Murphy, segundo a qual nunca há nada suficientemente mau, ou péssimo, que não possa piorar um pouco mais ainda, o júri do concurso em causa, nele soberano – ou então não seria júri, e então não poderia chamar-se-lhe concurso –, descobre que houve decisões suas que foram subvertidas administrativamente por um qualquer burocrata da confiança de uma FCT governamentalizada na nobre missão de esvaziar de massa cinzenta um país que até aqui investiu milhões e milhões para deixar de ser mais um viveiro de mão-de-obra barata e embrutecida, isto é, houve candidatos seleccionados pelo júri que foram desclassificados pelo Zé da Esquina, que ia a passar por ali.
De uma só vez, Nuno Crato conseguiu mandar a Ciência às malvas e subverter regras tão básicas em qualquer Estado de direito como a atribuição de dinheiros públicos através de critérios objectivos e transparentes. E Murphy já era. Nada que pelas leis de Crato e do Governo a que Crato pertence não possa piorar um pouco mais ainda. Se os portugueses continuarem a deixar. Com este frio, só se está bem é em casa.

1 comentário:

fb disse...

De uma só vez, Nuno Crato conseguiu mandar a Ciência às malvas e subverter regras tão básicas em qualquer Estado de direito como a atribuição de dinheiros públicos através de critérios objectivos e transparentes. E Murphy já era. Nada que pelas leis de Crato e do Governo a que pertence não possa piorar um pouco mais ainda. Se os portugueses continuarem a deixar. Com este frio, só se está bem é em casa.