terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Uma esquerda museu



Aos 89 anos, Mário Soares vê a sua intervenção na sociedade portuguesa nos últimos meses reconhecida com a distinção pela Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal com o Prémio Personalidade do Ano/Martha de la Cal deste ano. Nas reacções, quem diria, alguma esquerda aponta para a sua direita e identifica sinais de incomodidade à notícia e vangloria-se por Soares ser de esquerda. E este prémio deveria ser factor de preocupação da esquerda, não da direita, ou não tivesse Soares a idade que tem, ou a sua necessidade de intervir como interveio não tivesse nascido de um apagão generalizado à esquerda, no meio do qual não lhe foi nada difícil brilhar. Que mal estamos com um Seguro talhado à medida dos prémios “troikista bonzinho-moderadinho” e “aquele menino bateu-me”. Com um Jerónimo de Sousa que faria de Seguro se a troika fosse chinesa ou angolana. Com uma Catarina Martins que acumula prémios “o que foi que ela disse?” e um João Semedo a quem uma boa dose de cafeína assentaria melhor do que o prémio Xanax. Falta-nos esquerda no presente do indicativo. O prémio de Soares, inteiramente merecido, constata-o mais uma vez. A esquerda passado mobiliza. A esquerda presente não sai de si mesma.

3 comentários:

Anónimo disse...

“Em 2013, Mário Soares tem sido uma das principais vozes da sociedade portuguesa”, dizem os correspondentes estrangeiros, que também realçam a “relação de amizade” que o antigo chefe de Estado português tem mantido com eles, tanto quando foi primeiro-ministro (1976 a 1978 e entre 1983 e 1985), como quando foi Presidente da República (entre 1986 e 1996)."

Este é um prémio compradissimo. Mários Soartes é um ratão com um ego do tamanho de chourição. Passou a vida a comprar pessoas. Os jornalistas são também em grande parte de esquerda. Fica assim explicado.

Filipe Tourais disse...

Cada um acredita-se naquilo que quer. Com ou sem prémio, uma entrevista de Mário Soares tem mais impacto na opinião pública do que o que digam os outros todos durante semanas a fio.

Anónimo disse...

É uma tristeza ver a esquerda dividida e ás turras uns com os outros. Com isso mais não fazem do que abrir caminho á direita. Não consigo entender como é que a esquerda não se une ( por ex uma Unidade Popular igual á de Salvador Allende no Chile) e escorraça do poder a direita reacionária e fascista( que é a que actualmente (des)governa este pobre país.
Se a esquerda não se consegue entender e unir quando o país está a ser objecto de um ataque tão selvagem e criminoso como este levado a cabo pelo PSD/CDS; BCE; UE e FMI, então quando é que se une.? Será que é só se o país for ocupado militarmente.?
É que ocupado está ele pela troika com a ajuda dos colaboracionistas, traidores do PSD e CDS e o assobio para o lado do PS (que vergonha...).
Temos de sair do euro o mais rapidamente possível antes que seja tarde e já não aja conserto para o nosso pobre país. Os Alemães e a Europa do Norte esses grandes FDP que vão para a valente puta que os pariu.
Na mesma passada e já que é Natal prenda-se o Passos Coelho, e o Paulo Portas e quem os apoia por crimes de lesa pátria.