quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Lá está a garotada outra vez a brincar aos legisladores


O Governo alargou a lista de serviços que terão que assegurar serviços mínimos em caso de greve, passando a incluir na lista o sector da educação, nomeadamente a realização de avaliações finais. A medida consta da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LGTFP) ontem aprovada em Conselho de Ministros e enviada nesta quinta-feira aos sindicatos. O Governo coloca a realização de avaliações finais ao mesmo nível, e de forma alguma está ao mesmo nível, da segurança pública, correios, serviços médicos e hospitalares, recolha de lixo, abastecimento de água e de energia e bombeiros, que já têm que assegurar serviços mínimos em caso de greve. Não se percebe qual será o critério da escolha dos alunos que beneficiarão e dos que serão excluídos desta avaliação assim tornada urgente, por decreto. O que se percebe é que a garotada ficou muito traumatizada com a última greve dos professores. Abanaram, abanaram mesmo. Resta perceber até que ponto esta birra reactiva será legal. Tudo isto é mau demais para ser verdade. Mas é. Andamos nisto. 

1 comentário:

fb disse...

O Governo alargou a lista de serviços que terão que assegurar serviços mínimos em caso de greve, passando a incluir na lista o sector da educação, nomeadamente a realização de avaliações finais. A medida consta da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LGTFP) ontem aprovada em Conselho de Ministros e enviada nesta quinta-feira aos sindicatos. O Governo coloca a realização de avaliações finais ao mesmo nível, e de forma alguma está ao mesmo nível, da segurança pública, correios, serviços médicos e hospitalares, recolha de lixo, abastecimento de água e de energia e bombeiros, que já têm que assegurar serviços mínimos em caso de greve. Não se percebe qual será o critério da escolha dos alunos que beneficiarão e dos que serão excluídos desta avaliação assim tornada urgente, por decreto. O que se percebe é que a garotada ficou muito traumatizada com a última greve dos professores. Resta perceber até que ponto esta birra reactiva será legal.