quarta-feira, 9 de outubro de 2013

É tramado

Hoje, na AR, no período de declarações políticas, PCP e BE lançaram uma ofensiva ao CDS a propósito do corte das pensões de sobrevivência, medida que “veio do bolso” de Paulo Portas. Na bancada do CDS, o deputado João Almeida levantou-se várias vezes para defender a medida, falando em exemplos de acumulação de pensões com valores elevados e acenando com a conversa dos pensionistas que têm quatro mil e três mil euros e recebem 60% da prestação social do cônjuge que morreu. E ficou sozinho. Da bancada do PSD não se ouviu uma palavra. O silêncio do PSD não passou despercebido ao PS e ao BE. Mariana Aiveca ironizou: “Será que o PSD também precisa do desenho da medida?”. E desafiou os sociais-democratas a dar explicações sobre a proposta. Mas a declaração do PSD incidiu sobre o programa de ajustamento e nem de raspão passou nas medidas acordadas nas últimas avaliações da troika. Afinal, o CDS é que é o partido dos pensionistas.



 
Pouco depois: A notícia divulgada no domingo sobre o corte de pensões de sobrevivência provocou mal-estar no CDS, depois de Paulo Portas não ter referido a medida na conferência de imprensa quatro dias antes, e está de novo a causar tensão na maioria. Paulo Portas referiu apenas que haveria “pequenas e médias poupanças” para o Estado, mas não adiantou mais medidas para lá das que já eram conhecidas. Por outro lado, referiu o corte nas rendas excessivas na energia, medida que parece ter surpreendido a própria ministra, que estava ao seu lado.

Na Quinta à noite: Passos Coelho disse aos deputados do PSD que tem havido muita "contra-informação" sobre medidas que ainda não estavam "moduladas" nem "calibradas", como é o caso dos cortes nas pensões de sobrevivência, omitidos na conferência de imprensa de Paulo Portas na passada quinta-feira. Se ele diz, é porque é. Tudo explicado, portanto.
 
Na Sexta, já estávamos assim: "Houve uma palavra simples do presidente do CDS, dizendo que o partido podia estar tranquilo sobre a solução que iria ser apresentada, especialmente para dar essa palavra de tranquilidade aos mais idosos que, naturalmente, ficam sobressaltados com as notícias que têm vindo a público", afirmou João Almeida aos jornalistas à saída do Conselho Nacional do partido..
 
No Sábado: Chegou a estar prevista para este sábado uma declaração de Paulo Portas (ou de Pedro Mota Soares) a explicar o corte nas pensões de sobrevivência, mas afinal só no domingo é que o Governo dará mais informações sobre a medida que constará do Orçamento do Estado para 2014.

Sem comentários: