segunda-feira, 28 de outubro de 2013

É a democracia, estúpido


Na primeira reunião do mandato, o novo executivo camarário de Braga, liderado por Ricardo Rio (PSD) anulou a decisão tomada em Maio pela anterior maioria (PS), contrariando uma opção que foi polémica por envolver edifícios que estavam hipotecados por familiares do anterior presidente da câmara, Mesquita Machado, por ser um negócio cujo interesse público é, no mínimo, duvidoso e por Mesquita Machado ter participado na primeira votação em que o negócio foi aprovado, no valor de 3 milhões de euros, apesar de estar legalmente impedido, uma vez que a transacção envolvia e beneficiava a filha. Para quem tinha dúvidas, aqui está a lei da limitação de mandatos a demonstrar a sua utilidade. Os animaizinhos que continuem a dizer que as eleições não servem para nada.

1 comentário:

fb disse...

Na primeira reunião do mandato, o novo executivo camarário de Braga, liderado por Ricardo Rio (PSD) anulou a decisão tomada em Maio pela anterior maioria (PS), contrariando uma opção que foi polémica por envolver edifícios que estavam hipotecados por familiares do anterior presidente da câmara, Mesquita Machado, por ser um negócio cujo interesse público é, no mínimo, duvidoso e por Mesquita Machado ter participado na primeira votação em que o negócio foi aprovado, no valor de 3 milhões de euros, apesar de estar legalmente impedido, uma vez que a transacção envolvia e beneficiava a filha. Para quem tinha dúvidas, aqui está a lei da limitação de mandatos a demonstrar a sua utilidade. Os animaizinhos que continuem a dizer que as eleições não servem para nada.