sábado, 21 de setembro de 2013

Aulas práticas sobre voto útil: podridão e democracia


"Não sou nem nunca fui gestor/administrador do BPN ou membro do seu Conselho Fiscal ou sequer accionista ou depositante da mesma instituição bancária." Isto foi a 5 de Novembro de 2008, numa missiva remetida por Rui Machete ao então líder parlamentar do BE, Luís Fazenda, e com conhecimento das restantes bancadas parlamentares. João Semedo resume a conclusão  óbvia. “A mentira é sempre condenável. Quem mente não pode governar. E, por isso, nós dizemos que Rui Machete deve demitir-se ou ser demitido, em nome da democracia, da transparência, da decência, do combate à podridão que Rui Machete, na sua tomada de posse, se queixava de estar a ser vítima. Garantiu ainda que se o Parlamento não avançar com uma queixa à Procuradoria-Geral da República (PGR), o BE tomará o assunto em mãos: "A Procuradoria-Geral da República é quem lida com estes casos. O Parlamento deve apresentar queixa à PGR. Se o Parlamento não o fizer, nós não deixaremos que o Parlamento deixe de fazê-lo". Existe uma penalização legal para quem mente numa comissão de inquérito parlamentar. "Esta mentira protegeu Rui Machete das perguntas da comissão de inquérito porque, ao esconder o facto de ser accionista, impediu que os deputados o questionassem nesse seu estatuto." (daqui)

Vagamente relacionado: a mulher do ministro Nuno Crato foi nomeada pelo Ministério da Educação e Ciência no último Verão para integrar o conselho científico das Ciências Sociais e Humanidades da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). O ministro garante que não teve qualquer intervenção no processo.

Ainda mais vagamente: O ministro dos Negócios Estrangeiros admitiu neste sábado que cometeu uma “incorrecção factual” ao escrever, numa carta em 2008, nunca ter tido acções da Sociedade Lusa de Negócios (SLN), mas disse não haver qualquer intenção de o ocultar. Então por que é que o ocultou? E isso que importa. Passos Coelho mantém confiança total em Rui Machete. Sobre Nuno Crato, nada disse, mas também deve manter. A direita nunca mente. Quando muito, equivoca-se. Sem querer, obviamente, por mera distracção. Gente séria é outra coisa.

1 comentário:

Anónimo disse...



Concordo inteiramente que Rui Machete não tem condições para ser ministro em qualquer governo responsável e honesto, estando provado que mentiu na AR sobre aspectos da sua ligação ao BPN, . O mesmo se passa com Maria Luís Albuquerque, que também mentiu, neste caso na sua ligação aos SWAP's. Aliás, num governo responsável e honesto não tem lugar quem tenha mentido sobre aspectos relevantes. Isto, como é evidente, não se aplica apenas a ministros deste governo ou a pessoas do centro direita do arco político ! Aplica-se a todos ! Da Direita à Esquerda ! Infelizmente vivemos num país que tem um Primeiro Ministro que é um mentiroso nato a pensar no que disse antes das eleições legislativas e o que fez quando chegou ao poder... Cumprimentos, RM