segunda-feira, 8 de julho de 2013

Um aviso aos mais brandos


Não é nada que surpreenda quem já percebeu que a seguir a austeridade vem sempre ainda mais austeridade e que não se pode dar qualquer crédito ao que dizem os três líderes dos três partidos do arco da troika, mas o El Pais está a avançar que a Comissão Europeia e os Governos português e irlandês já preparam um segundo resgate para ambos os países, desta vez sem o FMI, antecipando o que toda a gente já antecipa há muito tempo, que não haverá regresso nenhum aos mercados quando terminar o programa de desmantelamento em curso. A notícia inclui um paliativo ao chamar "brando" ao segundo resgate, que prevê cortes adicionais a seguir aos próximos 4700 previstos para os tempos mais próximos, mas também já toda a gente percebeu o grau de especialização das técnicas de persuasão que são empregues para subjugar os povos na mira da reconfiguração social com que têm aumentado o número de milionários à custa da generalização da pobreza. Está, pois, mais do que na hora de resistir ao medo e perceber de uma vez por todas que ceder agora é ceder eternamente até deixar de ceder. Dê para onde der, temos que nos ver definitivamente livres da austeridade e do arco da austeridade. Eles não vão parar enquanto não forem parados. Eles nunca terão qualquer respeito por quem não souber dar-se ao respeito.

Vagamente relacionado: “Só o Syriza pode salvar a Grécia” (Paul Krugman)

3 comentários:

Mariposa Colorida disse...

Mas vivemos num país de gente amordaçada!

Anónimo disse...

Infelizmente não acredito mais sequer que respeitem quem se dá ao respeito. Esse argumento só é usado enquanto as pessoas ficam passivas, mas quando elas partem para a ação, protestando, vindo para as ruas, etc, são apelidadas de arruaceiras, agitadoras, radicais de esquerda, etc.

Filipe Tourais disse...

Se calhar não vêm para a rua em número suficiente. E se calhar depois o protesto não se materializa em votos. O respeito a que me referia é feito destas duas componentes.