terça-feira, 9 de julho de 2013

Sobre política e sobre políticos


Ao longo da semana passada, muita gente manifestou a sua preferência por Paulo Macedo para ocupar a pasta das Finanças na vez da camarada dos SWAPs. Justificação: Paulo Macedo é dos poucos ministros que se aproveitam no actual elenco governativo. Alguns chegam mesmo a opinar que é o único que escapa da mediocridade geral e houve até quem defendesse que seria o homem ideal para ocupar o lugar de Pedro Passos Coelho.

Nas notícias desta manhã, o DN traz à estampa dois títulos que envolvem o sector tutelado pelo supra-sumo. A primeira, titula "DGS emite alerta de calor para cinco distritos" e identifica o calor como causa do agravamento de doenças crónicas, principalmente na população idosa, e de doenças relacionadas, como as cãibras, esgotamento por calor e a situação mais grave: os golpes de calor". A segunda, titula "Seis hospitais sem ar condicionado e temperaturas de 35º" e refere que os cortes orçamentais deixaram muitos serviços sem manutenção da refrigeração. No S. José, Lisboa, e em Viseu a subida dos termómetros obrigou mesmo doentes a serem mudados de enfermarias, lê-se.

Temos, portanto, que o alerta de calor, ao não abranger estes seis hospitais, não é informação que sirva para consumo interno em todos os organismos tutelados pelo Ministério da Saúde. Se o calor excessivo é perigoso para a população em geral, será fatal para pessoas debilitadas ao ponto de se justificar o seu internamento hospitalar, ou seja, vai morrer gente. O supra-sumo é o responsável político por essas mortes. Tudo isto nos faz esbarrar com um conceito de política que exclui as pessoas. E a política não faz qualquer sentido se excluir as pessoas. Paulo Macedo até pode parecer o modelo do político exemplar: tem bom ar, não se ri, não se arrisca a exposições desnecessárias e não diz grandes asneiras. Mas as pessoas passam-lhe ao lado, não são uma variável relevante para si. Paulo Macedo não é nem bom, nem mau político. Paulo Macedo não é político. A política não é isto.





 

Sem comentários: