segunda-feira, 8 de julho de 2013

Não há propagandas grátis




A ministra “foi muito bem recebida” e “com sorrisos”, afirmou um dos presentes na sala de reuniões – que deve ter pedido o anonimato porque o Público não revela a sua identidade – frisando que “toda a gente estava muito contente”. Aqui está um exemplo de "notícia" que, tenho menos dúvidas do que certezas, há-de ter sido paga e com dinheiros dos contribuintes. O título desta parolice, "Maria Luís Albuquerque recebida de braços abertos no Eurogrupo", tem implícita a patetice de que poderia ter sido recebida com hostilidade, sei lá, podia alguém lembrar-se de insultá-la ou até de lhe bater. Ora, que alívio, receberam bem a nossa querida Ministra.
Nada a destacar no resto do artigo, prossegue no mesmo tom, mas repare-se na legenda da fotografia que ilustra esta anedota: "Christine Lagarde, directora-geral do FMI, conversa com a nova ministra antes do arranque dos trabalhos". Uau! A nossa querida Ministra tornou-se imediatamente amiga de uma  das pessoas mais importantes deste mundo. Que instinto felino, meus amigos. Como é que uma pessoa tão bem relacionada pode querer saber do Portas para alguma coisa? Atenção que esta amizade pode revelar-se muito importante. Sobretudo para a senhora dos SWAPs. É que, ao contrário do que ainda não acontece com Maria Luís Albuquerque, a colega do FMI está a ser investigada por também ter dado uns dinheiritos a ganhar a uns amigos. Afinidades.


Vagamente relacionado: O diário El Mundo publica na sua edição desta terça-feira a imagem de uma folha contabilística manuscrita, atribuída a Luis Bárcenas, antigo tesoureiro do Partido Popular espanhol, que referem pagamentos ilegais ao actual chefe do Governo, Mariano Rajoy. Os “papéis originais de Bárcenas”, documentos contabilísticos apresentados como originais, referem o pagamento de complementos salariais a Rajoy em 1997, 1998 e 1999, quando era ministro do Governo chefiado por José Maria Aznar, o que violaria a Lei das Incompatibilidades de 1995, que proibia qualquer pagamento extra, público ou privado, a membro do executivo.

Sem comentários: