segunda-feira, 15 de julho de 2013

Melhor que excelente


O BIC Portugal reclama do Estado reembolsos no valor de cerca de 100 milhões de euros, relativos ao BPN, e que estão alegadamente relacionados com as contingências decorrentes do acordo de privatização celebrado em Março de 2012. As "facturas" foram enviadas à Direcção-Geral do Tesouro e Finanças (DGTF), no último ano, no quadro do contrato de execução da venda do BPN que foi assinado entre o grupo luso-angolano e a actual ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que interveio na qualidade de secretária de Estado de Vítor Gaspar. Temos, portanto, e excluindo os 9 mil milhões que custou a nacionalização, que um banco que foi avaliado em segredo por 101 milhões, que quase foi vendido a crédito com juros bonificados e acabou vendido com um desconto de 60%, por 40 milhões, afinal poderá terminar vendido por um valor negativo, isto é, o Estado português acabará por remunerar o consórcio de Isabel dos Santos e Américo Amorim com 60 milhões (100-40) pelo favor de nos ficar com o BPN. Era um negócio excelente, ficará ainda melhor. As privatizações seguem dentro de momentos. Quem sabe se o mesmo grupo nos faz o favor de nos ficar também com  a Caixa Geral de Depósitos?


(corrigido)

1 comentário:

Mariposa Colorida disse...

Bic para mim só mesmo as canetas é que têm qualidade.