domingo, 28 de julho de 2013

É Domingo. Vamos passear?


Hoje é Domingo, por excelência o dia dos passeios. Por isso mesmo, proponho que dêmos uma voltinha por aí. Comecemos por esta notícia. Fala-nos num buraco de fazer inveja a outro mais famoso, conhecido pelo nome de código BPN, e envolve as parcerias estabelecidas entre o Estado e grupos como o da família Mello, a qual os Governos de José Sócrates e de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas puseram a enriquecer com o negócio da Saúde. Estamos a falar de 6000 milhões de euros, um prémio equivalente ao cúmulo da sorte que seria ganhar o euromilhões 400 vezes seguidas, à Terça e à Sexta, sempre, durante quase quatro anos. Impossível? Não.

 


 

Com certeza hão-de ter reparado no apelo ao realismo do Governo que apela ao realismo dos outros. Num comício, ontem, Poiares Maduro convocava todos os portugueses para o projecto de esperança que o Governo está a desenvolver para o bem e para o futuro dos portugueses. Isto é absolutamente fantástico, com dezenas de milhares dedespedimentos em fila de espera na Administração Pública e com os cortes de 4700 milhões de euros que nos têm reservados para o futuro mais próximo. António José Seguro, na Guarda, alvitrou que o país precisa menos de palavras e mais de acção, num discurso mais uma vez completamente omisso quanto aos negócios ruinosos da responsabilidade também do seu partido, mas cheio de palavras sobre promessas quebradas no dia a seguir às eleições, que apontou a Pedro Passos Coelho como se José Sócrates não tivesse feito exactamente o mesmo.

Mas falemos de esperança. O nosso passeio dos alegres termina no tal manifesto "viva o memorando", com o qual a oligarquia do regime - deste e do anterior - apelou a um entendimento de "salvação nacional". entre PSD, PS e CDS . E um dos principais beneficiários das parcerias que PS e PSD assinaram na Saúde é o Grupo Mello. Mello é um apelido que se repete três vezes nos nomes dos signatários desta salvação, como poderão constatar clicando aqui. Não se esqueçam de ter um bom Domingo.


2 comentários:

Anónimo disse...

Há muito que são conhecidos os Doutoramentos do ensino superior politécnico (público) em parceria com universidades.
Basta pesquisar:
http://www.publico.pt/educacao/noticia/rio-maior-concurso-para-construir-escola-superior-de-desporto-vai-ser-lancado-1218539
Para constatar, o Doutoramento em Metodologia de Investigação no Desporto e no Exercício, da Escola Superior de Desporto de Rio Maior, do Instituto Politécnico de Santarém, em parceria com a Universidade de Leida, noticiado em 2005!
Mas há muito que a universidade (pública) portuguesa também se envolveu nos Doutoramentos do ensino politécnico (público).
Como é exemplo, o Doutoramento em Ciências do Desporto, da Escola Superior de Desporto de Rio Maior, do Instituto Politécnico de Santarém, em parceria com a Universidade da Madeira, constante da oferta educativa anunciada na página 5 do Caderno de Ensino, da edição de 3.7.2008, do jornal “O Mirante”. Nessa fonte pode ler-se uma nova parceria, desta feita, com a Universidade de Leida, anunciada por este Instituto Politécnico, a saber um Doutoramento em Educação na Escola Superior de Educação de Santarém.
Nos Ciclos de Estudos Autorizados, constantes do site da DGES, não só não consta o Doutoramento em Ciências do Desporto da Escola Superior de Desporto de Rio Maior, do Instituto Politécnico de Santarém, em parceria com a Universidade da Madeira - anunciado no site desta Escola, em página actualizada em 30.1.2013, http://www.esdrm.pt/Ensino/Doutoramento/CD/Index.html
Como também não consta nenhum Doutoramento em parceria com Politécnicos, apenas constando, Doutoramentos em parcerias entre Universidades.
Acresce que o próprio Doutoramento em Ciências de Desporto, de Universidade da Madeira, mencionado no n.º 67 dessa listagem da DGES, porque não acreditado devia ter sido descontinuado…
Bem como os Doutoramentos desta Universidade mencionados nos n.º 68, 71 e 73 dessa mesma listagem.
Quiçá, o Sr. Ministro Nuno Crato não só deva explicar ao País a validade dos graus académicos de Doutor atribuídos em parcerias entre Politécnicos e Universidades. Mas também a sua política na afetação das verbas no Orçamento do Estado às instituições de ensino superior público. Eu agradecia, e estou certo que o País também!

Anónimo disse...

E o que dizer das despesas do ensino superior politécnico público tais como, a celebração do aniversário de uma Escola, integrada no Instituto Politécnico de Santarém, com um cruzeiro na barragem do Castelo do Bode, com almoço a bordo e transferes em autocarro ao cais de embarque, para docentes, funcionários e convidados, noticiada pelo jornal “O Mirante”, na sua edição de 18.12.2008, pág. 33, em artigo intitulado “Aniversário da Escola de Gestão celebrado em tom de discórdia”, e pelo Diário de Notícias, na sua edição de 19.12.2008, pág.13, em artigo intitulado “Um passeio à conta dos contribuintes”.
Despesas estas que não suscitaram um reparo por banda dos órgãos do Estado.
Para os que, como eu, atribuem valor ao simbólico, a subsequente nomeação da Sr.ª Presidente do Instituto Politécnico, pelo Sr. Presidente da República, para a Comissão de Honra das Comemorações do 10 de Junho de 2009, na Cidade de Santarém, teve um significado político. Ademais, conforme noticiado, a Sr.ª Presidente do Instituto Politécnico também desfrutou deste cruzeiro idílico…