sexta-feira, 21 de junho de 2013

A garotada dispensa a democracia

O ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, considerou hoje que "um dos grandes problemas em Portugal é que tudo é contestado". A democracia sempre foi vista como o maior problema por tiranos e tiranetes. O Ministro dos consensos da lei da rolha não se sente muito à vontade com as regras da democracia, como constatamos mais uma vez. O direito de manifestação é um dos pilares de qualquer democracia. E a democracia é incompatível com quem dela se serve para conquistar o poder para depois se incompatibilizar com as suas regras mais elementares.
Que proposta se vislumbra no lamento do senhor ministro? Que o seu Governo possa continuar ainda mais confortavelmente a desmantelar o país, a sonegar direitos,  a extorquir dinheiro e a destruir as vidas aos portugueses sem uma voz que o chame à razão. Está à vista de todos que até agora a contestação não foi suficiente para impedir a catástrofe que provocaram: continuam a aumentá-la. Objectivamente, há contestação a menos, não contestação a mais. O Governo ainda nem começou a ver o que é contestação. 
Em democracia, nenhum Governo que governe para as pessoas estará a mais. A democracia jamais será um incómodo para nenhum Governo que governe para as pessoas e não contra as pessoas, desprezando-as cada vez mais. Precisamente por esta razão, este está a mais, sente que está a mais, sabe que está a mais. E agarra-se ao poder como pode, dispensando e atentando constantemente contra a democracia., tentando desesperadamente evitar o inevitável, que a democracia o dispense. Miguel Poiares Maduro sabe que esse momento está próximo. Sabe que, entre democracia e um grupelho de meninos mandões e incapazes, a escolha dos portugueses não será nada difícil. Abdicar da democracia é qquestão que nem sequer se coloca. A garotada não gosta da democracia, os portugueses não gostam da garotada. Por isso estrebucham, daí os tiques autoritários. O autoritarismo sempre aparece quando evapora o último pingo de autoridade.


1 comentário:

F Vaz da Silva disse...

Uma das mais perniciosas consequências da democracia é exactamente que tudo pode ser contestado. Uma maçada, não é ministro Maduro? Pode sempre, seguindo a sugestão da ex-presidente de um dos partidos que suportam este governo, suspendê-la (à democracia) por uns meses para se governar sem estas recorrentes e irritantes contestações. Deixem-nos trabalhar, por favor.