sexta-feira, 7 de junho de 2013

A crise entrou na fase meteorológica

O ministro das Finanças justificou a quebra na atividade económica com as más condições meteorológicas vividas na primeira metade do ano. A responder ao deputado Honório Novo no debate para votação do Docmento de estratégia orçamental e Orçamento Retificativo, Vítor Gaspar lembrou que a contração do PIB português, que segundo o INE foi de 4% no primeiro trimestre, é justificado em parte pela quebra do investimento na construção. E justifica:  O investimento foi “adversamente influenciado pelas condições meteorológicas do primeiro trimestre que afectaram a actividade da construção.” Toda a gente sabe que nos últimos anos tivemos sol e temperaturas acima das nossas possibilidades. É perfeitamente natural que agora tenhamos que pagar todos esses anos de excessos. Quem anda à chuva, molha-se. Um povo que aceite tão mansamente ter como manda-chuva durante dois anos um técnico com a craveira internacional de Vítor Gaspar não pode estranhar se sentir os pés molhados até aos ossos. É a vida. 

Sem comentários: