terça-feira, 14 de maio de 2013

Onde fica o primeiro mundo?

Num momento em que, no Portugal da espiral recessiva, em nome de um conceito refundado de produtividade, a fúria do Governo vai investindo sobre o direito a uma pensão de reforma depois de uma vida inteira a trabalhar e decisões como os aumentos sucessivos da idade de reforma vão provocando uma autêntica onda de pânico naquela franja etária que vê o seu direito à retirada da vida activa sem penalizações a afastar-se  no horizonte, na passada semana, no Brasil do crescimento económico, a Presidente Dilma Rousseff promulgou legislação que consagra o direito à antecipação da idade para a aposentação aos cidadãos portadores de deficiências, um direito inexistente no nosso ordenamento jurídico, apesar de ainda sermos considerados um país do primeiro mundo. Assim, no Brasil, a partir de agora os cidadãos com um grau de incapacidade elevado passam a poder reformar-se ao concluírem 20 ou 25 anos de descontos consoante sejam do sexo feminino ou masculino ou aos 60 anos de idade independentemente do sexo caso hajam completado 15 anos de descontos. A lei prevê ainda o encurtamento da carreira contributiva para portadores de incapacidades moderadas e de incapacidades ligeiras, como poderão ler aqui. Uns para melhor, outros para pior.
E outros ainda para o pior possível: não posso deixar de aqui recordar a morte do meu amigo José Guerra em Dezembro passado. Estaria vivo se então já tivéssemos por cá uma lei equivalente àquela que os brasileiros aprovaram na semana passada dando mais um passo rumo à construção de uma sociedade mais justa. Nós vamos percorrendo o caminho inverso. Os portugueses deixaram substituir os valores da justiça social por uma ditadura do Excel, ainda por cima  um Excel utilizado exclusivamente com fórmulas de enriquecimento de uma minoria à custa dos direitos sociais e do empobrecimento generalizado da esmagadora maioria. Para além de nos envergonhar enquanto povo, a crescente insensibilidade social que vamos permitindo tem-se revelado uma impiedosa  inimiga do crescimento económico que, paradoxalmente, vai justificando injecções de injustiça social em doses consecutivas e cada vez maiores.

3 comentários:

Maquiavel disse...

Faltou acrescentar: uma folha de Excel com um erro grosseiro já detectado, que deturpa a realidade, e que foi ignorado pelos Gaspares.

Onde fica o primeiro mundo?
Näo no "Primeiro Mundo"...

Filipe Tourais disse...

Não me referia a esse e sim à folha do Gaspar, em que nenhuma se safa. Estão todas erradas.

João Moreira disse...

Teremos que inverter as tendências migratórias! Séculos de aprendizagens desta espécie que teima em repetir tábuas rasas na política do social...