sábado, 18 de maio de 2013

Este é o consenso que existe


Portugal deveria renegociar profundamente ou denunciar o memorando de entendimento com a troika e procurar alternativas, defendem mais de 80% dos inquiridos no estudo de opinião efectuado pela Eurosondagem: 41,5% dos inquiridos defenderam a denúncia do memorando, 41% a renegociação do memorando e apenas 10,8% entenderam que o acordo deve ser cumprido. Por outro lado, quase metade dos inquiridos (47,8%) considera que o memorando não devia ter sido assinado e 45,4% entendem que o relacionamento entre a troika e o Governo tem-se caracterizado por uma cedência excessiva do executivo. Apenas 12% dos inquiridos consideram que o memorando de entendimento foi bem elaborado e 9,4% que o relacionamento entre as instituições internacionais e o Governo português tem corrido normalmente. Um terço dos inquiridos (32,9%) diz que a troika tem demonstrado insensibilidade com a situação da economia portuguesa. Este é o consenso que existe actualmente. É enorme, como é bom de ver, e traduz aproximadamente a inversa daquela que é actualmente a composição da Assembleia da República, onde mais de 80% dos deputados pertencem a partidos que veneram o memorando como se este se tratasse de uma Bíblia sagrada. A nossa democracia exige a convocação de eleições antecipadas.

3 comentários:

fb disse...

Portugal deveria renegociar profundamente ou denunciar o memorando de entendimento com a troika e procurar alternativas, defendem mais de 80% dos inquiridos no estudo de opinião efectuado pela Eurosondagem: 41,5% dos inquiridos defenderam a denúncia do memorando, 41% a renegociação do memorando e apenas 10,8% entenderam que o acordo deve ser cumprido. Por outro lado, quase metade dos inquiridos (47,8%) considera que o memorando não devia ter sido assinado e 45,4% entendem que o relacionamento entre a troika e o Governo tem-se caracterizado por uma cedência excessiva do executivo. Apenas 12% dos inquiridos consideram que o memorando de entendimento foi bem elaborado e 9,4% que o relacionamento entre as instituições internacionais e o Governo português tem corrido normalmente. Um terço dos inquiridos (32,9%) diz que a troika tem demonstrado insensibilidade com a situação da economia portuguesa. Este é o consenso que existe actualmente. É enorme, como é bom de ver, e traduz aproximadamente a inversa daquela que é actualmente a composição da Assembleia da República, onde mais de 80% dos deputados pertencem a partidos que veneram o memorando como se este se tratasse de uma Bíblia sagrada. A nossa democracia exige a convocação de eleições antecipadas.

Mariposa Colorida disse...

Eu já não tenho força anímica para me pronunciar. Nem as inspirações da Virgem de Fátima estão comigo!

Anónimo disse...

O problema é que, se houvesse eleições, os partidos troikanos teriam de novo uma maioria alargada.