sexta-feira, 10 de maio de 2013

E produtividade é


Grande parte das cartas entregues em Coimbra, com destinatário na mesma cidade, vão ter que passar a ir a Lisboa antes de serem recebidas. A excepção será apenas para o correio azul e para as cartas registadas. Isto porque a partir de segunda-feira vão ser transferidos para a capital parte dos serviços realizados pelo Centro de Produção e Logística do Centro dos CTT. Fonte dos CTT, que puseram 17 trabalhadores fora da escala mas que garantem não irão despedi-los, diz que o objectivo da reorganização em curso é melhorar a eficiência da rede operacional dos CTT e assim garantir a sustentabilidade da empresa”. Confesso que também não percebi de imediato, mas, vistas bem as coisas, pelo prisma desta espécie de mercado sem riscos, faz todo o sentido: ou o cliente abre os cordões à bolsa e paga preço de correio azul ou registado, ou a sua carta vai passear a Lisboa durante quatro ou cinco dias, pagam os CTT. O acréscimo de proveitos para os rendeiros que adquiram o direito a este enriquecimento por correio azul na privatização dos CTT, ou, o que é o mesmo, o acréscimo de custos para as empresas em que se traduz toda esta eficiência, que sejam compensados em futuros “reajustamentos” de salários e de direitos da mesma forma que o são os enriquecimentos proporcionados aos rendeiros da energia, dos combustíveis, das telecomunicações e de quaisquer outros monopólios naturais que sustentamos. Temos que ser mais produtivos, abdicar de egoísmos que não levam a nada, ser empreendedores, exportar e cortar nas gorduras do Estado. Abaixo a subsídio-dependência. E produtividade é tudo aquilo que os vampiros disserem, quiserem, sonharem. Quem manda aqui?
 

Sem comentários: