quinta-feira, 4 de abril de 2013

Tarde demais


O ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, vai deixar o Governo. O pedido de demissão terá sido apresentado nesta quinta-feira, conforme avançavam várias publicações ao longo da tarde, ou há um par de semanas, como Relvas fez questão de frisar na sua curta declaração. Percebe-se a preocupação. Por alguma razão o relatório sobre a sua licenciatura por equivalências ficou tanto tempo nas mãos do Ministro Nuno Crato: para ser divulgado depois de uma demissão que, juntamente com a anulação da licenciatura, é uma última cartada desesperada na tentativa de recuperar uma credibilidade irrecuperável, em jeito de preparação para o embate de frente com a Constituição da República Portuguesa que está agendado para amanhã. Tarde demais
E agora? E agora nada. O Governo continua lá. As políticas também. A permanência de Relvas no Governo revelou-se útil para diminuir a sua base de apoio. É uma lástima que um Relvas cause mais mossa do que os recordes sucessivos do desemprego ou o maior crescimento da dívida pública de que há memória. Pode ser que a partir de agora comecemos a falar mais sobre política.

(editado)

1 comentário:

Anónimo disse...

A licenciatura falsa é um mal menor. Mostra apenas o tipo de gente que é o Relvas.

Os negócios sujos em que esteve/está envolvido e as decisões que tomou como ministro podem ter causado danos irreparáveis.