sexta-feira, 5 de abril de 2013

Sobre um crime de obediência qualificada


Não pode sequer considerar-se uma boa notícia. Boa notícia seria se não tivesse acontecido e se nunca mais voltasse a acontecer. A jornalista e antiga activista do Movimento Sem Emprego Myriam Zaluar foi absolvida nesta sexta-feira do crime de desobediência qualificada de que estava acusada. Factos que motivaram a acusação: ter participado num protesto não autorizado a 6 de Março de 2012 juntamente com outras sete pessoas, no qual entregaram panfletos do Movimento Sem Emprego (MSE) junto ao Centro de Emprego e Formação Profissional do Conde Redondo, em Lisboa, onde pretendiam também fazer uma inscrição colectiva simbólica como forma de demonstrar que há mais desempregados para além dos que constam nos registos oficiais. Gravíssimo, como se vê. Nada escapa a esta Justiça tão corajosa quando se trata de intimidar quem ouse afrontar o sagrado poder e tão amiga de confiar os crimes de colarinho branco à justiça divina e às habilidades de Santa Prescrição.

Sem comentários: