quinta-feira, 18 de abril de 2013

O crime compensa


Um corrupto, comprovadamente corrupto, o Presidente da Académica, viu suspensa a pena de seis anos de prisão. Diz o Supremo Tribunal que o tipo de corrupção de José Eduardo Simões é assim uma espécie de corrupção queriducha, porque as vantagens dela obtida se destinaram a um clube desportivo e as vantagens pessoais do corrupto se limitaram ao financiamento da campanha das eleições em que este garantiu a reeleição. O Supremo Tribunal de Justiça determinou ainda que José Eduardo Simões entregue cem mil euros a duas associações de apoio a crianças.

Ora recapitulemos. É corrupto ou não é corrupto? É corrupto. Lesou o Estado com o seu crime? Lesou. Obteve benefícios pessoais prejudicando o Estado? obteve. Obteve benefícios para terceiros através de actos ilícitos que prejudicaram o Estado? Obteve. E o que é que o Supremo decidiu? Tirar da cadeia um comprovado criminoso, elogiar a abnegação com que desenvolveu a sua actividade corrupta, não anular as eleições que o reconduziram na presidência da Académica e, como se não bastasse, em vez de condená-lo a devolver ao lesado, o Estado, o valor dos danos que lhe causou, inventa uma lotaria que beneficiará duas associações que poderão fazer desse prémio o que quiserem e bem entenderem, inclusivamente, devolvê-lo ao criminoso. O crime compensa ou não compensa?

1 comentário:

fb disse...

Recapitulando. É corrupto ou não é corrupto? É corrupto. Lesou o Estado com o seu crime? Lesou. Obteve benefícios pessoais prejudicando o Estado? obteve. Obteve benefícios para terceiros através de actos ilícitos que prejudicaram o Estado? Obteve. E o que é que o Supremo decidiu? Tirar da cadeia um comprovado criminoso, elogiar a abnegação com que desenvolveu a sua actividade corrupta, não anular as eleições que o reconduziram na presidência da Académica e, como se não bastasse, em vez de condená-lo a devolver ao lesado, o Estado, o valor dos danos que lhe causou, inventa uma lotaria que beneficiará duas associações que poderão fazer desse prémio o que quiserem e bem entenderem, inclusivamente, devolvê-lo ao criminoso. O crime compensa ou não compensa?