quarta-feira, 20 de março de 2013

O terror quer avançar mais uns passos


O Ministério da Educação e da Ciência (MEC) anunciou que os professores com "horário zero" poderão passar, já a partir do próximo ano lectivo, ao regime de mobilidade especial. O Ministério da Educação continua a transferir milhões de euros para colégios com contratos de associação, redundantes porque  situados nas proximidades de escolas do Estado. Na sua grande maioria, estes colégios são propriedade de personalidades muito próximas do poder político. Entre sacrificar o enriquecimento destes amigos e ameaçar professores com um despedimento a médio prazo e pô-los a receber metade do vencimento, o Governo não hesitou. Se a medida for avante, se os portugueses não acabarem de vez com este pesadelo e o Governo não for deposto, no próximo ano lectivo teremos milhares de professores à míngua em casa a sofrerem a violência de uma inactividade forçada para que uma espécie de empreendedores possa manter um negócio à sombra do Estado à custa do sustento que profissionais que dedicaram uma vida inteira ao ensino deixarem de receber. O terror quer avançar mais uns passos. É cada vez mais urgente fazê-lo tropeçar.

1 comentário:

fb disse...

O Ministério da Educação e da Ciência (MEC) anunciou que os professores com "horário zero" poderão passar, já a partir do próximo ano lectivo, ao regime de mobilidade especial. O Ministério da Educação continua a transferir milhões de euros para colégios com contratos de associação, redundantes porque situados nas proximidades de escolas do Estado. Na sua grande maioria, estes colégios são propriedade de personalidades muito próximas do poder político. Entre sacrificar o enriquecimento destes amigos e ameaçar professores com um despedimento a médio prazo e pô-los a receber metade do vencimento, o Governo não hesitou. Se a medida for avante, se os portugueses não acabarem de vez com este pesadelo e o Governo não for deposto, no próximo ano lectivo teremos milhares de professores à míngua em casa a sofrerem a violência de uma inactividade forçada para que uma espécie de empreendedores possa manter um negócio à sombra do Estado à custa do sustento que profissionais que dedicaram uma vida inteira ao ensino deixarem de receber. O terror quer avançar mais uns passos. Há que fazê-lo tropeçar.