segunda-feira, 18 de março de 2013

O detector de pânico


O corpo do jovem que morreu no sábado no Bairro da Bela Vista, em Setúbal, na sequência de uma perseguição policial, não apresenta vestígios de ferimentos de balas, revelou a autópsia feita na tarde desta segunda-feira. Naturalmente, não foi surpresa que a autópsia também não tenha detectado vestígios do pânico causado pelos disparos da polícia, nem tão-pouco sinais do subsequente descontrolo que provocou o despiste fatal.

3 comentários:

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
ecos
de
la
tarde
callada
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


COMPARTIENDO ILUSION
FILIPE

CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...




ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE DJANGO, MASTER AND COMMANDER, LEYENDAS DE PASIÓN, BAILANDO CON LOBOS, THE ARTIST, TITANIC…

José
Ramón...



Anónimo disse...

Nem tampouco a surpresa por não ter levado capacete e ter passado um sinal vermelho (que poderia ter causado um acidente a algum incauto que pensasse que teria o direito de passar quando o sinal está verde.). Realmente uma vitima de uma acção brutal policial...

Filipe Tourais disse...

É, sempre que alguém passa um vermelho ou não usa capacete, a polícia põe-se semprea disparar, não é assim? Tem toda a razão.