quarta-feira, 13 de março de 2013

Impostos de rico, impostos de pobre


Uma empregada de limpeza, viúva há mais de 20 anos e com dois filhos a seu cargo, foi a vencedora do concurso do euromilhões de sexta-feira. Aos 51 milhões de euros que ganharia se tivesse registado a sua aposta noutro país onde aquele concurso está isento de imposto de selo, como esteve em Portugal até ao início deste ano, ao prémio há que subtrair os 10,2 milhões de euros correspondentes à nova tributação. Não sei se será o caso, também não interessa, uma vez que todos eles têm muitas empregadas de limpeza que trabalham nas suas empresas. Qualquer delas, caso ganhe um prémio superior a 5 mil euros, pagará mais de imposto do que qualquer dos três homens mais ricos de Portugal, Américo Amorim, Alexandre Soares dos Santos e Belmiro de Azevedo,  que puseram as suas empresas a registar lucros em países com um regime fiscal mais favorável. Por exemplo, o patrão do Pingo Doce, Alexandre Soares dos Santos, anunciou recentemente um lucro de 360 milhões de euros, 7 vezes o prémio da vencedora de Sexta-feira passada,  pelos quais pagará zero. PSD, PS e CDS usaram toda a sua responsabilidade e todo o seu sentido de Estado para se oporem à criação de mecanismos fiscais propostos pela esquerda dita "radical"  no sentido de não ser permitido aos mais ricos de Portugal que lhes saiba bem pagar tão pouco pelos euromilhões que ganham todos os dias explorando empregadas de limpeza e outros trabalhadores por  si condenados a passar uma vida inteira a empobrecer a trabalhar, ao mesmo tempo que sonham um dia poder pagar um imposto de pobre muito maior do que o imposto de rico que noutro dia o seu patrão decidiu deixar de pagar. Impostos de rico e impostos à rico. Não são bem a mesma coisa.

Sem comentários: