sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Um raríssimo momento de lucidez


Hoje é o dia dos fenómenos. O Governo teve um raro momento de lucidez. Todas as entidades envolvidas no circuito do medicamento têm agora 30 dias para declarar eventuais conflitos de interesses à Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), que os publicitará “de modo imediato e automático” na sua página de Internet. A prática, que está instituída em vários países estrangeiros, obriga os profissionais de saúde que escolhem os medicamentos pagos com verbas públicas nos hospitais a fazer declarações públicas de conflitos de interesses, por exemplo revelando os congressos patrocinados pela indústria farmacêutica em que participem. Observe-se, porém, que a medida não é clara quanto ao alcance pretendido, nomeadamente quanto à separação entre o que é permitido e o que é proibido e quanto à forma como esse controlo será feito. E ainda estamos muito longe quer do regime de incompatibilidades que acabe com a promiscuidade reinante entre o exercício da medicina no sector público e no sector privado, quer do controlo rigoroso da assiduidade do pessoal médico. Para isto, sim, seria necessária coragem. E a coragem deste Governo é ainda mais rara do que a lucidez.

(editado)

2 comentários:

fb share disse...

Hoje é o dia dos fenómenos. O Governo teve um raro momento de lucidez. Todas as entidades envolvidas no circuito do medicamento têm agora 30 dias para declarar eventuais conflitos de interesses à Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), que os publicitará “de modo imediato e automático” na sua página de Internet. A prática, que está instituída em vários países estrangeiros, obriga os profissionais de saúde que escolhem os medicamentos pagos com verbas públicas nos hospitais a fazer declarações públicas de conflitos de interesses, por exemplo revelando os congressos patrocinados pela indústria farmacêutica em que participem. Observe-se, porém, que a medida não é clara quanto ao alcance pretendido, nomeadamente quanto à separação entre o que é permitido e o que é proibido. E ainda estamos muito longe quer do regime de incompatibilidades que acabe com a promiscuidade reinante entre o exercício da medicina no sector público e no sector privado, quer do controlo rigoroso da assiduidade do pessoal médico. Para isto, sim, seria necessária coragem. E a coragem deste Governo é ainda mais rara do que a lucidez.

Vitor disse...

É um dia importante..... Mas mais dias iguais são necessários..... É importante conhecer a declaração de interesses daqueles que nas escolas seleccionam os manuais escolares.... É importante conhecer os interesses daqueles que no parlamento aprovam leis que quando aplicadas parecem feitas à medida de um dado grupo ou entidades.... É necessário conhecer os interesses daqueles que lançam concursos públicos aos quais uma ou duas entidades apenassão capazes de cumprir os requisitos neles contidos..... É preciso muito mais..... Mas primeiro é necessário tirar as palas, quebrar as correntes que nos prendem e ver que o mundo é muito mais que as sombras que nos fazem crer corresponder à realidade..... Não temos que ser como os escravos da Alegoria da Caverna....