quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

O polvo

Os relatórios das inspecções às autarquias, que eram de acesso livre desde 1995, estão em segredo desde que Relvas anunciou a integração da IGAL na Inspecção-Geral de Finanças, que vai passar a publicar apenas resumos de trinta linhas. Tradução: as eventuais irregularidades detectadas pelos inspectores serão divulgadas apenas quando o padrinho entenda que certo autarca, eleito por determinado partido,deva ser exposto publicamente, mantendo segredo em todos os casos em que o autarca em questão pertença à mesma máfia a que pertence quem tem o poder de não lhe estragar os negócios.

1 comentário:

António T. Araújo disse...

Se onde vivemos é uma democracia, voto já numa ditadura com ditador (a meu gosto, claro) com alternativas para o nome: Rui Rio ou Manuel Maria Carrilho ou Oliveira Martins.
A imprensa, rádio e TV só podiam aparecer daqui a 1 ano.