quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

O Gaspar é que sabe


Segundo o Boletim Estatístico do Banco de Portugal divulgado hoje, a dívida pública portuguesa atingiu os 203,4 mil milhões de euros no final de 2012, 122,5% do Produto Interno Bruto (PIB) na óptica de Maastricht, um valor que é superior não apenas ao esperado pelo Governo para o final do ano passado, como também superior à estimativa para o final de 2013 (122,2% do PIB). É um dado que supera pela negativa todas as expectativas, mas não importa para nada. O grande Gaspar desdramatizou dizendo que aquilo que conta é que Portugal cumpriu as metas acordadas com a troika. Já podia tê-lo dito claramente. Afinal, o que interessa é apenas a sua própria obediência.
Mas Gaspar ainda não está satisfeito com os efeitos da sua austeridade: quer aumentar a dose e pôr em prática medidas que revelou estavam guardadas para uma emergência. O delírio completou-se com a defesa de mudanças no sistema político que permitam fazer face a crises futuras. Gaspar ainda está a ajudar uma crise a crescer e já se preocupa com as crises que possam vir a seguir. Este homem é um génio.

Vagamente relacionado: O ministro das Finanças foi duramente criticado ontem à noite numa reunião com militantes do PSD em Lisboa. O PS foi "desastroso" mas "a situação é completamente ridícula", disse-lhe um militante, que se identificou como Miguel Couto. "A nossa dívida já vai em 125% do PIB e há um milhão e meio de pessoas sem trabalho", disse, considerando que Portugal está num "abismo".

Ainda mais vagamente: A sessão estava marcada para as 21 horas, mas o ministro entrou no hotel, muitas horas antes, assegurando, assim, não ser confrontado com os protestos de cerca de três dezenas de ativistas dos movimentos que promovem a manifestação do próximo dia 2 de Março, que cantaram a Grândola, Vila Morena e lhe dirigiram palavras de ordem.
Mesmo muito vagamente relacionado: de visita à Áustria, Pedro Passos Coelho argumentou que os protestos dos últimos dias contra vários ministros do seu Governo “não são representativos do que tem sido o comportamento dos portugueses”. O primeiro-ministro elogiou os portugueses, defendendo que o seu comportamento tem sido “quase exemplar” e “bastante maduro” perante “as grandes dificuldades que Portugal está a atravessar”.


(editado)

1 comentário:

fb share disse...

Segundo o Boletim Estatístico do Banco de Portugal divulgado hoje, a dívida pública portuguesa atingiu os 203,4 mil milhões de euros no final de 2012, 122,5% do Produto Interno Bruto (PIB) na óptica de Maastricht, um valor que é superior não apenas ao esperado pelo Governo para o final do ano passado, como também superior à estimativa para o final de 2013 (122,2% do PIB). É um dado que supera pela negativa todas as expectativas, mas não importa para nada. O grande Gaspar desdramatizou dizendo que aquilo que conta é que Portugal cumpriu as metas acordadas com a troika. Já podia tê-lo dito claramente. Afinal, o que interessa é apenas a sua própria obediência.