quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Da longa série regulação e negócios


Segundo um inquérito da DECO realizado em Novembro, quase dois terços dos lares que recebem televisão digital terrestre (TDT) têm problemas de recepção do sinal. 62% queixam-se de falhas no som e na imagem e de interrupções prolongadas e 13% diz não conseguir seguir o normal desenrolar das emissões. Estes dados contrariam radicalmente” a versão oficial do regulador ANACOM  de uma transição com problemas residuais. E cá estamos nós novamente diante da evidência crónica de uma regulação que nunca funciona e de um negócio que prospera à sombra dessa inoperância: apenas 1 milhão de lares portugueses não tem televisão paga. A TDT avançou com apenas 4 canais, quando há países onde avançou com mais de 70. Foi uma mina para a PT enquanto distribuidor de sinal de TDT, a ANACOM permite-lhe todo o género de violações do contrato, e para todos os operadores de televisão por cabo, incluindo-se no lote  participadas da PT. Há dias, a Ministra Assunção Cristas tranquilizava os portugueses quanto à privatização da água, argumentando com a existência de um regulador. Temos todas as razões para perspectivar mais um grande negócio em que todos os consumidores sairão novamente a perder. Não há um único regulador que funcione. A regulação é um mito.


2 comentários:

Zé da Burra o Alentejano disse...

Há já cerca de um ano que foi introduzida em Portugal a televisão digital terrestre (TDT), porém há ainda algumas zonas do país que não conseguem receber o sinal; outras recebem-no com interrupções. Mas todos os portugueses pagam na sua fatura de eletricidade a “Taxa de Radiodifusão” que ajuda a financiar a televisão pública portuguesa e têm por isso direito a receber a televisão "gratuita".
Mas em relação à RTP a queixa poderia apontar até outros aspetos, como sejam o facto da RTP Memória, a RTP Internacional, a RTP África e a RTP Notícias serem acessíveis mediante pagamento, apenas através da televisão por cabo ou satélite, no entanto, todos eles são canais da RTP que se servem dos meios e conteúdos da RTP e por isso acabam por beneficiar da “Taxa de Radiodifusão” e dos dinheiros públicos do Orçamento do Estado, com origem em todos os contribuintes. Todos esses canais deveriam por isso ser transmitidos em sinal aberto. Por onde anda a justiça neste país?

Anónimo disse...

O bando de malfeitores que nos governa faz deste país a sua reserva de caça.
É um tal fartar vilanagem que não me lembro de alguma vez ter assistido a coisa semelhante e já la vão 60 anos de existência.
O Bando perdeu completamente a vergonha e já ataca sem qualquer tipo de restrições, ás claras e com tempo de antena e 1ª página dos pasquins do sistema(veja-se o caso do F.Ulrich).
A pouco e pouco Portugal vai-se aproximando da Grécia e não é de admirar que qualquer dia, mais cedo do que tarde, cá como lá os protestos deixem a rua para passarem a ser á bomba, ao tiro e outras formas menos simpáticas para o Bando.
Há limites que não podem ser ultrapassados sob pena da perda completa da dignidade de um povo.