terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

ABC da intimidação


“O Ministério Público concluiu que a publicação do livro "Diamantes de sangue" se enquadra no legítimo exercício de um direito fundamental, a liberdade de informação e de expressão, constitucionalmente protegido, que, no caso concreto, se sobrepõe a outros direitos”, refere uma nota publicada no site da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, que acrescenta não existirem indícios da prática de crime, “atentos os elementos probatórios recolhidos e o interesse público em causa”. A queixa contra o jornalista angolano Rafael Marques, autor do livro, e a sua editora portuguesa, Tinta-da-China, foi arquivada. Agradecimentos aos generais angolanos pela publicidade gratuita que patrocinaram. O livro vai na sexta edição.
Porém, registe-se como foi fácil ao grupo de bandidos instrumentalizar a Justiça portuguesa para intimidar e molestar o autor e a sua editora. O silêncio da associação de editores e livreiros, da qual a Tinta-da-china é associada, é também bastante sintomático da submissão à voz do dinheiro que não envergonha certos sectores da sociedade portuguesa. Valem o que valem. Nem duas pevides. Mas quase ninguém os reprova. Os vendidos vão-se safando no meio desta apatia quase geral.

Sem comentários: