sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Ouvem-se as gargalhadas de Jardim Gonçalves


A juíza do Tribunal de Pequena Instância Criminal confirmou nesta sexta-feira a sentença de condenação pela CMVM de Jardim Gonçalves ao pagamento de um milhão de euros e inibição de exercício de funções na banca por cinco anos. Não vem no acórdão nem os 170 mil euros mensais da pensão de reforma de Jardim Gonçalves, nem os 400 milhões em prémios que ele e  a sua quadrilha sacaram do banco, nem os 3 mil milhões de dinheiros públicos que o actual Governo injectou no BCP para compensar os efeitos de anos a fio dessa gestão criminosa e muito menos o agradecimento de Jardim Gonçalves aos três partidos que produziram a legislação habilidosa que não prevê penas de prisão para roubos de valor equivalente a milhares de vidas inteirinhas a trabalhar. E não teria que fazê-lo. Todas estas revelações não são incumbências suas. São de quem tem por função informar o grande público e dispersa a informação de forma a que a grande maioria apenas tenha uma percepção parcelada de um roubo gigantesco que seria seu dever sistematizar.

PS. Quase me esquecia: Jardim Gonçalves não teve que devolver os milhões que arrecadou com a vigarice que deu origem à pena de hoje. Milhões menos milhão dá milhões. E umas quantas gargalhadas.

2 comentários:

Anónimo disse...

Falta referir que Jardim Gonçalves pertence ao OPUS DEI , uma organização que controla os seus membros escrupulosamente

Filipe Tourais disse...

Sim, mas isso não é crime, pelo menos até essa organização não ser investigada como deveria.