terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Costa, o salvador


É quase certo e já só falta o anúncio formal. Tudo indica que António Costa disputará a liderança do PS com António José Seguro.

Entre os comentadores do regime, Marcelo Rebelo de Sousa já vaticinou que será mau para Lisboa e mau para o próprio António Costa. Marcelo não estará propriamente preocupado com o futuro político de António Costa e muito menos com a sua continuidade na presidência da Câmara Municipal de Lisboa, pelo que há que interpretar a sentença como uma forma de fugir ao óbvio: um PS liderado por António Costa não será a nulidade enquanto oposição que foi o PS do zero com pretensões de esquerda António José Seguro. Marcelo Rebelo de Sousa é do PSD. O Governo também. O fim da paz podre imposta pela incapacidade do actual líder do PS é o que menos convém na perspectiva do poder pelo poder.

Outro comentador do regime, Raul Vaz, diz que António Costa teve uma decisão corajosa e responsável. Corajosa, sou obrigado a concordar, se bem que a decisão tenha muito de "é agora ou nunca". Mas António Costa ainda não sabe sequer para quando é que Seguro marcará o congresso que abrirá o momento eleitoral no PS e, mesmo assim, avançou. E quanto ao "responsável", também não estranho: segundo os comentadores do regime, qualquer figura dos três partidos do "arco" é sempre "responsável", nem que o que diga num ano o desdiga no ano logo a seguir. Há mais ou menos um ano, recordo-me vagamente de ter ouvido o mesmo António Costa que hoje avança simultaneamente para a disputa da liderança do PS e da Câmara Municipal de Lisboa dizer que nunca seria candidato à liderança do seu partido enquanto fosse candidato à CML. Eles são assim. Não é defeito, é feitio.

Mas tudo isto pouco interessará à grande maioria. Como sempre, a pergunta que realmente importaria responder é evitada pelos comentadores do regime: o que é que poderá mudar na vida das pessoas com António Costa à frente do PS? Responde-se com outra: e quem é que disse que é para mudar alguma coisa na vida das pessoas? Porventura mudaria no cenário remoto de António Costa se comprometer a rasgar o memorando da nossa desgraça. E digo porventura por ter mil e uma razões para duvidar de compromissos provenientes de um arco do poder cronicamente atolado numa chafurdeira de interesses conhecido pela sua tradição em voltar atrás com a palavra dada no minuto imediatamente a seguir a uma vitória eleitoral. Quem ainda se deixe entusiasmar por estes carnavais que arrisque fazer das próximas eleições legislativas a oportunidade para mudar novamente de aldrabão. Os restantes que usem o voto para mudar de vida.

2 comentários:

FB disse...

É quase certe e já só falta o anúncio formal. Tudo indica que António Costa disputará a liderança do PS com António José Seguro.

Mariposa Colorida disse...

Muito bom post! Basta dizer que tudo muda para tudo ficar igual!