domingo, 20 de janeiro de 2013

A misteriosa modéstia de uns estranhos pavões com orelhas de burro



Esta semana, no debate parlamentar de Sexta-feira, Passos Coelho e os líderes das bancadas parlamentares dos dois partidos da maioria contornaram os diagnósticos e as previsões negras do boletim de Inverno do banco de Portugal mudando de assunto para o tema mercados e para um alegado sucesso do Governo na descida dos juros da dívida soberana portuguesa, da qual se apressaram a reclamar os louros. "Estamos condenados ao sucesso"foi uma das fanfarronices utilizadas para emoldurar os gráficos que usaram para apontar os resultados que, na boca deles, começam finalmente a aparecer.

Falava a modéstia: como vêem acima e se clicarem em cada um dos links seguintes, tal como o gráfico dos juros da dívida portuguesa, também Os gráficos das dívidas espanhola, italiana e, imaginem, até da dívida grega mostram que o Governo de Pedro Passos Coelho conseguiu também baixar os juros das dívidas soberanas desses países. A modéstia impediu-os de reclamá-las. E que raridade, modéstia em pavões, não?

Não em pavões com orelhas de burro. É óbvio que um Governo que em ano e meio de governação não tem um único sucesso para apresentar no seu próprio país muito menos os teria em outros. O misterioso sucesso da semana é o resultado do programa de compra ilimitada de dívida pública anunciado para vigorar temporariamente pelo BCE em Setembro do ano passado, apenas isso e nada mais do que isso. E esta decisão do BCE de, por uns tempos, fazer como fazem os bancos centrais americano ou japonês também não é nenhum sinal de que a crise tem os dias contados, como poderão ler aqui e aqui. Não há melhor do que o Ladrões de Bicicletas para deslindar estes mistérios. É grátis e completamente esterilizado da propaganda vendida pelos jornais. Vão passando por lá.

1 comentário:

fb disse...

Esta semana, no debate parlamentar de Quinta-feira, Passos Coelho e os líderes das bancadas parlamentares dos dois partidos da maioria contornaram os diagnósticos e as previsões negras do boletim de Inverno do banco de Portugal mudando de assunto para o tema mercados e para um alegado sucesso do Governo na descida dos juros da dívida soberana portuguesa, da qual se apressaram a reclamar os louros. "Estamos condenados ao sucesso"foi uma das fanfarronices utilizadas para emoldurar os gráficos que usaram para apontar os resultados que, na boca deles, começam finalmente a aparecer.