domingo, 16 de dezembro de 2012

Mãos ao ar, isto é um "ajustamento"


1. As consultoras brasileiras e portuguesas ligadas ao antigo chefe da Casa Civil do ex-Presidente da República Lula da Silva, José Dirceu, condenado a mais de 10 anos de prisão pelos crimes de formação de quadrilha e corrupção activa no caso Mensalão, promoveram a candidatura de Gérman Efromovich à privatização da TAP, a única proposta de compra da companhia aérea nacional.

2. O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu este domingo que os reformados que recebem pensões mais elevadas devem ser chamados a contribuir mais que os restantes para o esforço colectivo porque, segundo ele, estão a receber mais do que descontaram.

3. Além do aumento das taxas moderadoras, os transportes públicos ficaram mais caros e as pessoas têm graves dificuldades financeiras. Há muita gente a optar por não ir a consultas médicas. Ao todo, os médicos de família fizeram em Outubro passado menos um milhão e 300 mil (1.316.351) consultas daquele tipo, comparando com em igual período do ano passado. É uma quebra de 6,9%. Já as consultas não presenciais, como as que são feitas por e-mail e por telefone, aumentaram 6,3%. Isto é, no mês de Outubro foram feitas 6.777.396, mais 400 mil do que 2011. Os médicos alertam para o perigo de se estar a restringir e dificultar o acesso aos cuidados. E lembram que a queda começou com o aumento, em Janeiro, das taxas moderadoras para mais do dobro: uma consulta presencial passou a custar cinco euros, enquanto que a não presencial se fica pelos três.

1 comentário:

FB share disse...




1. As consultoras brasileiras e portuguesas ligadas ao antigo chefe da Casa Civil do ex-Presidente da República Lula da Silva, José Dirceu, condenado a mais de 10 anos de prisão pelos crimes de formação de quadrilha e corrupção activa no caso Mensalão, promoveram a candidatura de Gérman Efromovich à privatização da TAP, a única proposta de compra da companhia aérea nacional.


2. O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu este domingo que os reformados que recebem pensões mais elevadas devem ser chamados a contribuir mais que os restantes para o esforço colectivo porque, segundo ele, estão a receber mais do que descontaram.