quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Um homem do mercado


João Duque, o autor do plano de desmantelamento da RTP,  apoia várias vezes por semana o memorando da troika e a liberdade dos mercados na sua coluna do Expresso e em programas da SIC-Notícias. E, na qualidade de presidente do ISEG, adjudicou 160 mil euros em publicidade num concurso público feito à medida para o grupo Impresa, com critérios com propósitos mais do que evidentes.  O caderno de encargos do concurso não podia ser menos abrangente: "para a publicação dos anúncios pretende-se um grupo de comunicação social que tenha um canal de TV e ainda um jornal semanal com mais de 100 mil exemplares de tiragem, dirigido às classes A, B e C". João Duque foi mais longe, acrescentando ainda a exigência de que "o grupo deverá também ter uma revista semanal, que aborde temas de gestão, economia e finanças, com tiragem semanal de pelo menos 100 mil exemplares". Não precisou de acrescentar que "o candidato deverá ter um nome começado pela letra I", porque o único grupo de media que corresponde às exigências da esperteza saloia do director colunista do Expresso e da SIC é precisamente o grupo que detém o Expresso e a SIC, o grupo Impresa.

3 comentários:

Facebook share disse...

João Duque, o autor do plano de desmantelamento da RTP, apoia várias vezes por semana o memorando da troika e a liberdade dos mercados na sua coluna do Expresso e em programas da SIC-Notícias. E, na qualidade de presidente do ISEG, adjudicou 160 mil euros em publicidade num concurso público feito à medida para o grupo Impresa, com critérios com propósitos mais do que evidentes. O caderno de encargos do concurso não podia ser menos abrangente: "para a publicação dos anúncios pretende-se um grupo de comunicação social que tenha um canal de TV e ainda um jornal semanal com mais de 100 mil exemplares de tiragem, dirigido às classes A, B e C". João Duque foi mais longe, acrescentando ainda a exigência de que "o grupo deverá também ter uma revista semanal, que aborde temas de gestão, economia e finanças, com tiragem semanal de pelo menos 100 mil exemplares". Não precisou de acrescentar que "o candidato deverá ter um nome começado pela letra I", porque o único grupo de media que corresponde às exigências da esperteza saloia do director colunista do Expresso e da SIC é precisamente o grupo que detém o Expresso e a SIC, o grupo Impresa.

arménio pereira disse...

Para Filipe Tourais:

Obrigado pela persistência da coragem.

Quanto ao senhor Duque: são dinheiros do Estado. Onde está a reacção do senhor ministro?

Gi disse...

Nojo.