terça-feira, 23 de outubro de 2012

O país dos Adolfos

A maior parte dos judeus de Israel apoiaria a implantação de um regime de apartheid em Israel se o país anexasse formalmente a Cisjordânia, revela uma sondagem noticiada pelo jornal Haaretz. A sondagem apresenta outros dados que apontam que a maioria dos judeus de Israel defende a discriminação contra os cidadãos árabes. Entre os inquiridos, 74% são a favor de estradas separadas para israelitas e palestinianos na Cisjordânia. Mais de dois terços dos judeus israelitas dizem que devia ser negado o direito de voto aos 2,5 milhões de palestinianos que vivem naquele território ocupado. Um terço defende a criação de uma lei que impeça os árabes de Israel de votarem para o parlamento israelita, o Knesset.
Quando questionados sobre se os judeus deviam ser preferidos aos árabes na escolha para cargos na administração pública, 59% responderam afirmativamente; 49% disseram que os cidadãos judeus deviam ser tratados de uma melhor forma do que os árabes; 42% revelaram não querer vizinhos árabes a viver no mesmo prédio. O mesmo número respondeu que não quer os seus filhos a frequentar a mesma escola que as crianças árabes. (daqui)

3 comentários:

Facebook share disse...

A maior parte dos judeus de Israel apoiaria a implantação de um regime de apartheid em Israel se o país anexasse formalmente a Cisjordânia, revela uma sondagem noticiada pelo jornal Haaretz. A sondagem apresenta outros dados que apontam que a maioria dos judeus de Israel defende a discriminação contra os cidadãos árabes. Entre os inquiridos, 74% são a favor de estradas separadas para israelitas e palestinianos na Cisjordânia. Mais de dois terços dos judeus israelitas dizem que devia ser negado o direito de voto aos 2,5 milhões de palestinianos que vivem naquele território ocupado. Um terço defende a criação de uma lei que impeça os árabes de Israel de votarem para o parlamento israelita, o Knesset.

Gi disse...

Que tristeza. Que guerra desastrosa, que se eterniza e cria mágoas que assim se exprimem.

Filipe Tourais disse...

Muito triste, mesmo. Não aprenderam nada com a experiência nazi.