segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Crato obrigado a recuar

O Ministério da Educação e Ciência (MEC) confirmou nesta segunda-feira que foram detectadas ilegalidades em concursos de colocação de professores seleccionados através das ofertas de escola. Nesses casos, que não quantifica, os concursos serão repetidos e os contratos com os professores anulados, a não ser que aqueles se candidatem e sejam de novo seleccionados. É uma excelente notícia, mas apenas uma. Isto porque poderiam perfeitamente ser duas: naquele "a não ser" que se lê ali atrás inclui-se a possibilidade de os senhores directores de escola voltarem a fazer batota novamente, uma vez que o anúncio não menciona a exoneração que seria a consequência mais do que lógica para todo e qualquer que utilize o cargo que ocupa para favorecer terceiros da sua predilecção. Caso tal não venha a verificar-se, a conclusão é óbvia: Crato foi obrigado a recuar. Mas de nada vale resgatar galinhas ainda vivas da barriga do lobo se o mesmo lobo for deixado a mandar na capoeira.

(editado) 

1 comentário:

FB request disse...

O Ministério da Educação e Ciência (MEC) confirmou nesta segunda-feira que foram detectadas ilegalidades em concursos de colocação de professores seleccionados através das ofertas de escola. Nesses casos, que não quantifica, os concursos serão repetidos e os contratos com os professores anulados, a não ser que aqueles se candidatem e sejam de novo seleccionados. É uma excelente notícia, mas apenas uma. Isto porque poderiam perfeitamente ser duas: naquele "a não ser" que se lê ali atrás inclui-se a possibilidade de os senhores directores de escola voltarem a fazer batota novamente, uma vez que o anúncio não menciona a exoneração que seria a consequência mais do que lógica para todo e qualquer que utilize o cargo que ocupa para favorecer terceiros da sua predilecção. Caso tal não venha a verificar-se, a conclusão é óbvia: Crato foi obrigado a recuar. DE acabar com uma injustiça a ser obrigado a acabar com uma injustiça vai um grande esticão.