quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Uma prostituta a quem chamaram "ética"

Quem, pela manhã, liga o rádio na Antena 1 hoje teve a oportunidade de se indispor ao saber que o mesmo Conselho Nacional da Ética para as Ciências da Vida que não quer ouvir falar em eutanásia emitiu, por encomenda do Governo,  um parecer no qual defende que os tratamentos a oferecer aos doentes devem ser ponderados em função dos custos e dos anos de vida que garantem, nomeadamente em doenças oncológicas, reumatológicas e SIDA .  O presidente do órgão que serve esta “ética” tão esquisita, Miguel Oliveira da Silva, disse à mesma rádio que o racionamento nos medicamentos deve alargar-se aos meios complementares de diagnóstico, tais como as ecografias, as TAC e as análises. Nas suas palavras, Portugal não pode continuar a comportar-se como se fosse um país rico.
Mas ética é ética, por mais palavras que debite um espécime destes. Não  existem éticas diferentes para ricos e para pobres, da mesma forma que a medicina serve outros propósitos bem distintos de objectivos orçamentais. O médico que, ao vestir a farda de ecónomo por baixo da bata, ponha em risco a saúde e até a vida dos seus doentes, está simultaneamente a quebrar um juramento e a trair a confiança em si depositada por uma sociedade que indevidamente lhe paga o salário: fá-lo porque quer e apenas porque quer, não há nada nem ninguém que possa impedi-lo de executar os actos médicos que entenda adequados para cada situação e  tão-pouco pode sofrer represálias por utilizar a autonomia técnica que lhe é conferida por lei para fazer bem o seu trabalho. Obviamente que existe o risco de desagradar aos defensores desta ética com cheiro a morte e sofrimento. Tenho a certeza que tal desagrado encherá de orgulho os muitos bons profissionais que não se prestam ao papel de prostituir a verdadeira ética aos sorrisos e elogios da gente da situação.

(editado)

5 comentários:

Facebook share disse...

Quem, pela manhã, liga o rádio na Antena 1 hoje teve a oportunidade de se indispor ao saber que o mesmo Conselho Nacional da Ética para as Ciências da Vida que não quer ouvir falar em eutanásia emitiu, por encomenda do Governo, um parecer no qual defende que os tratamentos a oferecer aos doentes devem ser ponderados em função dos custos e dos anos de vida que garantem, nomeadamente em doenças oncológicas, reumatológicas e SIDA . O presidente do órgão que serve esta “ética” tão esquisita, Miguel Oliveira da Silva, disse à mesma rádio que o racionamento nos medicamentos deve alargar-se aos meios complementares de diagnóstico, tais como as ecografias, as TAC e as análises. Nas suas palavras, Portugal não pode continuar a comportar-se como se fosse um país rico.

Sentada na ponta da lua disse...

Inacreditável... mas neste país pelos vistos tudo é possível. Vergonhoso.

Nan disse...

A ética já não é o que era. E a vida só tem mesmo valor antes de nascer. Depois... é muito relativo!

CR disse...

É já público. Os Hospitais até já o fazem. Um doente em fase terminal não vale um medicamento. Deixam-se morrer as pessoas porque já não valem mais uma análise, mais um TAC, mais uma ressonância magnética. Qualquer dia não valem mais uma sopa e deixam-se morrer à fome. É este o GENOCÍDIO PORTUGUÊS na sua face mais pública e assumida. A partir de agora já ninguém pode alegar desconhecimento sobre os novos fornos crematórios portugueses em funcionamento em todos os Hospitais por esse país fora.

E por tudo isto e muito mais tenho um recado para estes governantes de merda; IDE para a PUTA QUE VOS PARIU A TODOS!!!!!

lidiasantos almeida sousa disse...

A Minha irmã faleceu no dia 2 de Setembro, com um cancro e o IPO não tem aquilo que se chama cuidados continuados ou paliativos. Depois de exausta, escrevi no livro amarelo do IPO, e ainda não sabia desta do racionamento pela besta da Ética: a seguinte mensagem para o Ministro da Saude: "ESPERO QUE ESTA MINHA EXPOSIÇÃO CHEGUE AO ACTUAL MINISTRO DA SAUDE, GRANDE FINANCEIRO PARA DESTRUIR O SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE, EM VEZ DE MARTIRIZAREM OS DOENTES E ACOMPANHANTES, DEVERÁ DECRETAR UMA EUTANÁSIA A PELO MENOS UM MILHÃO DE VELHOS, DOENTES INCÓMODOS E GASTADORES. POUPARIA NAS PENSÕES, NAS REFORMAS, NOS MEDICAMENTOS EXAMES ETC. FECHARIA HOSPITAIS, DESPEDIRIA MEDICOS ENFERMEIRAS AUXILIARES ETC. E ASSIM O GOVERNO A QUE PERTENCE PASSARIA A SER O MELHOR ALUNO DA EUROPA E ULTRAPASSARIA O ANTIGO MELHOR ALUNO CAVACO SILVA". Isto em 7 de Setembro, mas eu não sabia que o programa já estava em, curso com a besta da ÉTICA a ajudar. Desculpem o desabafo.