quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Sermão de S. Seguro aos anjinhos

Nasce sempre um santo depois de nascer um diabo. Lembrar-se-ão, com certeza, os menos distraídos, do nascimento de S. Passos Coelho na mesma altura que nasceu o diabo Sócrates. Pois acaba de nascer, ou, pelo menos, de tentá-lo, Santo António José Seguro, apenas seis dias depois do nascimento do diabo Pedro, que, ao contrário do S. Poupadinho que andou a representar, dá entrevistas sem olhar a custos..

Não faço a mínima ideia se será característica dos nascimentos com hora marcada, este foi marcado para as oito do telejornal, mas o recém-nascido ainda mal abria a boca e já se iniciava no duro ofício dos milagres: “nunca, mas nunca, serei cúmplice desta política. Já o disse e repito: assim não”. De imediato, por todo o país, aconteceu um tremendo apagão. Todos se esqueceram das abstenções violentas pré-natais e da santa assinatura socialista no memorando que é o guião das políticas que ficaram à margem de qualquer cumplicidade depois dos quatro minutos que durou o parto.

Porém, e continuando a falar de milagres, o mais importante aconteceu pouco depois. O milagre do desaparecimento das cláusulas dos contratos das PPP, que o PS assinou e voltou a assinar depois de aumentar ainda mais as vantagens para os parceiros privados, onde se lê que qualquer agravamento fiscal que os possa prejudicar será suportado pelo Estado. Foi graças a este milagre que Santo António Seguro pôde anunciar que ele próprio proporá um imposto extraordinário sobre as PPP.

E este foi o momento mais alto da noite do sermão de Seguro aos anjinhos, um dos recursos mais abundantes do país. A esperança  renasceu entre eles. Quanto aos demais, sabem perfeitamente o quanto já deram para este peditório. Santa paciência. 

1 comentário:

Facebook share disse...

Nasce sempre um santo depois de nascer um diabo. Lembrar-se-ão, com certeza, os menos distraídos, do nascimento de S. Passos Coelho na mesma altura que nasceu o diabo Sócrates. Pois acaba de nascer, ou, pelo menos, de tentá-lo, Santo António José Seguro, apenas seis dias depois do nascimento do diabo Pedro.